Arquivo mensais:outubro 2018

TEMOS QUE UNIFICAR O BRASIL NUMA ÚNICA VOZ

A democracia se expressa no voto, no momento da eleição, quando definimos nossos governantes. E a eleição tem dois aspectos fundamentais: o voto ser secreto no momento da votação e a apuração de cada voto ser perfeitamente pública.

Os cidadãos brasileiros estão indignados pois com urnas eletrônicas não temos eleições de fato, temos UM TEATRO que faz com que o cidadão TENHA A IMPRESSÃO que está escolhendo o seu candidato, quando de fato, vencerá sempre o candidato daquele que controla as urnas.
Nossa escolha só será respeitada se ela puder ser retratada em um CORPO FÍSICO, de modo que a apuração de cada voto possa ser PÚBLICA e AUDITÁVEL .

O processo eleitoral é feito de etapas e muito embora a primeira etapa, o exercício do voto, seja secreto, para garantir ao cidadão a liberdade de escolha, a próxima etapa, o ato seguinte, já é um processo administrativo e se submente a um requisito de VALIDADE, sob a pena de ser NULO, que é o PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE.

QUALQUER ATO ADMINISTRATIVO DEVE SER PÚBLICO!

À luz da Constituição, este ato deve ser PÚBLICO E AUDITÁVEL, sob pena de ser NULO, algo IMPOSSÍVEL de ser feito com as urnas eletrônicas que aí estão.

POR ISSO, AS URNAS ELETRÔNICAS SÃO INCONSTITUICIONAIS E NÃO AS QUEREMOS
Não sendo a APURAÇÃO DO VOTO pública e auditável temos uma eleição SEM VALOR.

A validação e a publicidade da apuração é para conhecimento de cada cidadão brasileiro, para que todos reconheçam que participaram de um processo eleitoral justo, limpo e TRANSPARENTE e que o eleito É DE FATO o escolhido pela maioria dos eleitores
CADA VOTO CONTADO DEVE SER PÚBLICO E SEM A TRANSPARÊNCIA DESTE PROCESSO, SEM A PUBLICIDADE E SEM A POSSIBILIDADE DE AUDITORIA, ESTE É UM ATO NULO NÃO SÓ À LUZ DA CONSTITUIÇÃO, COMO TAMBÉM É ANTIDEMOCRÁTICO

Há vários princípios constitucionais sendo quebrados desde 1997 com estas urnas eletrônicas não auditáveis: A CIDADANIA, A MORALIDADE, A PUBLICIDADE, A LEGALIDADE E A PRÓPRIA REPÚBLICA

Estamos sofrendo uma VIOLAÇÃO dos princípios republicanos, dos princípios constitucionais e principalmente da CIDADANIA, por que nossa cidadania SÓ EXISTE NO MOMENTO EM QUE NOSSO VOTO É RESPEITADO, POIS ELE É O INSTRUMENTO FUNDAMENTAL DA CIDADANIA.

Hoje, com urnas eletrônicas, as eleições vem sendo apurada em segredo, na obscuridade, sem transparência, sem qualquer possibilidade de auditoria e sem a publicidade da apuração E POR ISSO O FATO SE PERDE E O ATO TORNA-SE NULO À LUZ DA LEI.

PORTANTO, PELO FATO DAS URNAS ELETRÔNICAS NÃO CUMPRIREM A LEI MÁXIMA DO ESTADO DEMOCRÁTICO, POR NÃO CUMPRIREM A CONSTITUIÇÃO, O POVO SE RECUSA A UTILIZÁ-LAS E SÓ EXERCERÁ SEU DIREITO DE CIDADANIA NESTE ANO DE 2018 ATRAVÉS DO VOTO EM CÉDULA, CONTABILIZADO DE MODO PÚBLICO E AUDITÁVEL.

QUEREMOS AGORA, NESTE SEGUNDO TURNO, ELEIÇÕES JUSTAS, TRANSPARENTE E VÁLIDAS DE FATO E NÃO UM TEATRO.

#VOTOEMCEDULA