Arquivos da categoria: Política

Da vergonha do xingamento à vergonha real…

Para Lula, vaias a Dilma na abertura são “maior vergonha que país já viveu”.

Os palavrões à instituição Presidente, realmente, não tiveram razão de
ser… Uma sonora vaia já seria suficiente…

Porém:

Vergonha, Lula, é sua covardia em se esconder na abertura da copa, a
copa que você trouxe para o Brasil, deixando sua pupila entregue aos
leões da elite…
Vergonha é você sempre agir assim, como quando do acidente com o avião da TAM…
Vergonha é você nunca saber de nada…
Vergonha é você falar que Dilma era a única com cara de pobre no
estádio (coisa que ela não tem)…
Vergonha é você dizer que lá só estava a elite branca, mesmo com a
presença de inúmeros de seus asseclas e a presença de duas torcidas
organizadas do seu time…
Vergonha é você ter sido racista ao dizer que lá não tinha nenhum moreninho…
Vergonha é você dizer que essa é uma copa feita para o povo, sendo que
sabia desde o início que só a elite teria dinheiro para pagar o
ingresso…
Vergonha é você fomentar o ódio de classes dizendo que só existe uma
classe de trabalhadores no Brasil…
Vergonha é você criticar a elite que acorda cedo e trabalha 12 horas
por dia (coisa que você nunca fez)…
Vergonha é sua hipocrisia, pois critica a elite ao mesmo tempo em que
anda de helicóptero, toma uísque 18 anos e vinhos que ultrapassam a
cifra de R$ 1.000,00…
Vergonha é ter filhos já milionários, tão novos, sem justificarem tal
patrimônio…
Vergonha é os amigos dos seus filhos viajarem de graça no avião presidencial…
Vergonha é o negócio escuso entre a Gamecorp e a Telemar…
Vergonha é você manter amizade com quem considera aloprado…
Vergonha é você dizer que Genoíno, Dirceu e Delúbio não são gente de
sua confiança…
Vergonha é o Genoíno e Delúbio, auto proclamados sem posses, bancarem
dois dos advogados mais caros do país…
Vergonha é você condenar a elite por xingar a presidente e se omitir
quando um membro do conselho de “ética” do pt ameaça de morte o
presidente do STF…
Vergonha é você ter chamado de hipocrisia a decisão do STF de condenar
os réus do mensalão e dizer que foi uma condenação política…
Vergonha é um deputado estadual do pt fazer reuniões com membros do pcc…
Vergonha é ver você trocando agrados com Maluf, Sarney, Collor, Renan…
Vergonha é ouvir você dizer que em Cuba e Venezuela impera a plena democracia…
Vergonha é você ter extraditado os pugilistas cubanos…
Vergonha é você não ter extraditado o terrorista Cesare Battisti…
Vergonha é saber que os assassinatos do Celso Daniel e do Toninho do
pt jamais serão esclarecidos…
Vergonha é você, Dilma e todos os políticos inaugurarem obras
inacabadas ou inexistentes…
Vergonha é saber o que você e seu partido fizeram com a Petrobras…
Vergonha é você praticamente ter duplicado o número de ministérios
para acomodar seus prosélitos…
Vergonha é você se orgulhar de não ler e de não ter estudado…
Vergonha é você enganar o povo com seus discursos dissimulados…
Vergonha é sermos taxados com impostos escorchantes e não termos nada em troca…
Vergonha é o sistema de saúde no Brasil… (você sabe bem disso, pois
trata sua saúde no Sírio Libanês como todos da elite branca)…
Vergonha é o que a população brasileira enfrenta todos os dias com
transporte público precário, saúde deplorável, educação e segurança
inexistentes…
Vergonha é ter tido você como nosso presidente…

Sou cirurgião dentista formado pela UNESP, especialista pela USP,
literalmente um membro da elite branca que acorda à 5:30 para ir
trabalhar, paga impostos rigorosamente em dia e faz, dentro de suas
possibilidades, o possível para aplacar o sofrimento dos menos
favorecidos.

Fernando Augusto De Luca

Israel, Palestina, Hamas, Árabes, Guerra….

Tentando achar alguma lógica, alguma racionalidade em tudo que vem acontecendo lá na Palestina/Israel, ai vai a minha opiniao:

Ok, Judeu tem muita vezes um comportamento separatista e isso causa muito incômodo e irritação em vários povos e pessoas, ok. Muitos e acham superiores (no entanto é difícil falar que não são, se olharmos os números), e alguns até andam meio de nariz em pé e segregam mesmo. Ok, mas Judeu é uma coisa e Israel é outra. Tá bom, sei que não estão lá tão separados assim, pra não dizer que é quase tudo a mesma coisa, mas o fato é que não são.

Do outro lado, quem vive sob o fundamentalismo islâmico é radical e não consegue raciocinar direito (desculpe, sem ofensas… já fui fundamentalista religioso também e sei bem do que estou falando. Fica-se cego!!!). Por mais que se tente conversar, explicar, nada entra na cabeça e para eles Alá é o único Deus verdadeiro e todo o Ocidente ou não presta ou está à mercê do Diabo (note que estou falando dos fundamentalistas, como Hamas, por exemplo)

Bem, até aqui, estamos quase empatados, mas diria que eu prefiro o separatismo Judeu do que a ignorância do radical árabe.

Continuando…
Israel se desenvolveu muito nos últimos anos, em todos os sentidos. É um povo educado, culto, tendo conquistado vários prêimos Nobeis, detentores de muita tecnologia, dentre várias outras coisas.
Enquanto isso, o pessoal da Palestina fez muito pouco ou quase nada. Realmente se preocuparam muito mais com seu inimigo, do que com seu povo, com seu futuro, com seu desenvolvimento. Ponto para Israel.

Israel “invadiu”, “tomou”, terras deles após a segunda guerra, mediante politicagem na ONU.
Diria então que ok, ponto para os Árabes. Mas pera lá, isso foi acordado, então, tem que ser respeitado. Ninguém fica feliz em perder território. Mas desde que o mundo é mundo isso acontece e quem perde não fica esperneando o resto da vida, feito criança mimada. Então, não dá pra dar ponto pros Árabes por conta disso.
Israel é folgado e, uma vez tendo colocado o pé na fresta da porta, colocou a perna e já está quase com o corpo lá dentro. Ponto pros Árabes.

Porque não se cria um limete de ocupação de cada lado? Tipo, cada um pode crescer até 20% a mais do território que foi delimitado lá no pós guerra, não mais do que isso.

Atualmente quem começa a encrenca parece que é sempre o lado Árabe, Israel meio que se defende. Então, ponto pra Israel. No entanto, devido sua “envergadura” tecnológica, se defende muito bem e ataca bem também, o que causa a desproporcionalidade. Ao meu ver aqui, azar dos Árabes. Quem mandou ficar olhando pro inimigo em vez de cuidar da sua própria casa.

Ainda, vale uma ressalva, quem já viajou para países árabes conhecerá muitos Árabes e Muçulmanos, todos muito educados e pacíficos. Tenho amigos Árabes que são extremamente civilizados e muito, muito gente boa. Portanto, não estou aqui falando do povo Árabe em geral, mas me refiro apenas aos fundamentalistas religiosos, como Hamas e similares. Mesmo porque, vários países Árabes sequer defendem as ações do Hamas.

Então, muito embora não haja santo nessa história, se forem contar os pontos ai dessa análise, verão que Israel vem ganhando. Bem, é por ai que eu ando pensando hoje…

Desejo muito choro nesta Copa de 2014 aqui no Brasil

Faltam 9 dias para a Copa do Mundo de 2014 e confesso que parece que não vou conseguir torcer pelo Brasil.

Não tenho energia pra isso.

Se eu torcer, parece que estarei torcendo para que tudo acabe em pizza.

E assim como eu, percebo que há vários outros brasileiros iguais a mim, com este sentimento de gosto amargo na boca.

Acho que esta copa fez surgir um novo sentimento dentro de muitos brasileiros, um sentimento de incoformismo com a quantidade de merda que está à nossa volta e que de certa forma, sempre nos rodeou.

É que acho que pela primeira vez, tivemos uma overdose de roubalheira, de forma tão discarada que fica quase impossível não ficar enjoado com tudo isso.

Acho que se o Brasil perder ele muda depois desta copa, e muda pra melhor.

Acho que vamos deixar de ser o país do futebol para ser mais o país do progresso e de dizer não a impunição.

Mas acho que esse processo só se concluí com a não vitória nesta copa. Acho que no fundo todos sabemos que se o Brasil perder, esta estrutura de pensamento se forma de vez.

Se vencermos, provavelmente tudo ficará nublado e as chances de tudo voltar ao que era antes é muito grande, afinal, não duvido que de certa forma venha um sentimento: Valeu a pena! O que seria realmente uma pena que acontecesse.

Por isso, pela primeira vez na minha vida, estou torcendo CONTRA a Seleção Canarinho, para o bem da nação brasileira.

Que o Brasil perca para a Croácia na abertura, que perca para o México e para Camarões e que os brasileiros chorem muito, chorem pela derrota mas chorem ainda mais por tudo que aconteceu para que esta copa existisse. Que chorem por tanto dinheiro desperdiçado e investido onde não precisava enquanto tantas outras prioridades foram deixadas de lado. Que chore por toda a roubalheira que houve e principalmente que chore por termos empossados esta corja no poder.

Que haja muito choro para os brasileiros nesta copa.

Quem sabe assim acordaremos!

Esclarecimento a nação brasileira

Num estado de democracia os governantes só estão onde estão através do voto do povo.

E o voto de um rico, vale tanto quanto o voto de alguém da classe media, ou quanto o voto dos das classes mais pobres. Tendo todos estes exatamente o mesmo valor.

Cientes da grande massa de pessoas nas classes mais pobres, não fica difícil descobrir de que classe estes serão “amigos”.

E com isso em mente adotam o discurso de esquerda, afinal, qual não seria o melhor discurso para estes políticos utilizarem senão um discurso que diz que estarão dividindo as riquezas dos mais ricos com os mais pobres.

Sim, um discurso que demonstre favorecer os menos favorecidos cai como uma luva para este propósito.

No entanto, ao mesmo tempo é nítido que estes governantes não desejam que estes das classes mais pobres mudem de classe, pois quanto mais ignorantes forem, melhor servirão aos seus propósitos para que possam se perpetuar no poder.

Por isso tantas bolsas! Bolsa família, bolsa prisão, bolsa crack, bolsa tudo. Uma estrutura sórdido para aliciar os mais pobres e mantê-los no poder, enquanto o país mingua a cada dia.

Sim, pois quem mantém tantas bolsas? A classe trabalhadora que é onerada com uma quantidade enorme de impostos para manter toda esta máquina funcionando.

Sem investimento na educação estes políticos mantém estes classe pobres e ignorantes na sua maioria com algum recurso financeiro, que dificilmente conseguiriam conquistar com seus próprios esforços.

Isso faz com que estes entrem num estado de perpetuação da acomodação e de não reação e, não percebendo este movimento, ficam felizes e satisfeitos com os governantes que lhes dão bolsa família, bolsa creche, bolsa crack, bolsa prisão, bolsa tudo e nas urnas, votam novamente nestes mesmos políticos em pról da perpetuação deste estrutura de governo.

Infelizmente tudo isso não é facilmente percebido, uma vez que os discursos destes governantes são reiteradamente em favor dos pobres (com o intuito de os continuar iludindo), mantendo estes refém desta situação, sem que percebam.

Percebemos isso claramente também em Cuba, Venezuela e na Bolívia dos irmãos Castro, Maduro (e o antigo Hugo Chaves) e de Evo Morales que bradam continuamente este mesmo discurso comunista de esquerda, empacando da mesma forma o desenvolvimento de seus paises e fechando-os para o mundo.

E hoje o nosso Brasil do PT do Lula, da Dilma, do Zé Dirceu e de outros segue exatamente a mesma cartilha!

Assim como os outros governantes o objetivo deles é estancar o conhecimento, aumentar impostos para manter todas as bolsas ativas, tapar a boca do povo e se perpetuar no poder com o voto popular.

Fica então fácil de entender porque esses mesmo políticos e partidos não fazem nada para realmente dar educação, conhecimento e meios a essa camada mais pobre, mantendo-a assim eternamente dependente das “ações” sociais do governo.

Disseminando a grande mentira da esquerda que é dizer que quem tem algo, quem não é pobre, recebeu mais do que deveria e que quem é pobre recebeu menos do que deveria. Nessa mentira, o mérito, o valor do estudo e do esforço dos indivíduos simplesmente desaparecem, tudo se torna uma questão de RECEBER, de receber da sociedade, como se isso dependesse só do Estado.

Enquanto isso, as verbas que deveriam ser destinadas a Educação (e a Saúde) simplesmente somem em tantas ações sociais, bem como a empréstimos a estes países, perdoando dívidas, entre mensalões e compras absurdas (Petrobrás) enquanto que a saúde, a segurança e a qualidade do Ensino Público (principalmente o fundamental e médio) só piora.

Pense então quem é que deverá lutar para mudar esta estrutura?

Será que os mais pobres desejam o fim dela? NÃO!

Os muito ricos muito embora não estejam contentes, conseguem viver bem mesmo dentro deste mundo torto e caótico.

Será que nossos governantes desejam o fim dela? NÃO!

Portanto, cabe a nós, a eu e a você que está lendo este texto, da classe média, que pensa, mudarmos o nosso país.

O Brasil é farto em riquezes naturais, tem um dos melhores clima do mundo, é rico em água e agora temos até petróleo.

O Brasil poderia estar dispontando como uma das principais nações emergentes, assim como outros países fazem hoje. No entanto, estamos amargando um dos piores momentos da história, maquiado pelos nossos governantes que não querem que isso fique visível.

Não podemos mais permitir que estes políticos continuem vivendo com o nosso dinheiro, com o dinheiro do trabalhador da classe média que luta para sobreviver e que é obrigado a carregar nas costas todo este sistema corrupto, podre e falido, onerado com as maiores taxas de impostos do mundo que tem como objetivo manter todas as bolsas que nossos governantes tanto precisam e distribuem para se perpetuar no poder, enquanto continuam enriquecendo com acordos e conchavos com os mais ricos para seu próprio benefício.

É hora de acordarmos, é hora de enxergarmos claramente como toda esta engrenagem funciona e dizermos BASTA para tudo isso! Como?

Por ora simplesmente compreendendo, compartilhando e divulgando esta mensagem.

(O texto é óbvio, muito óbvio, eu sei, mas infelizmente as vezes temos que falar o óbvio quando ele infelizmente já não está sendo mais visto tão claramente. Ou ainda, temos que tentar repetir o parece óbvio para quem estudou e acabou sendo contaminando com a ideologia esquerdista tão difundida e defendida nos meios acadêmicos, que infelizmente compram facilmente simplesmente porque A ou B tidos como “pensadores”, disseram ao terem se baseado em alguma lógica rasa e simples. Quem sabe então, dizendo o óbvio assim desta forma mais estruturada, alguns não abram os olhos e comecem a enxergarem o que está acontecendo à nossa volta)

 

BRASIL, JUNHO DE 2013, PASSEATAS, PROTESTOS, O QUE ESTÁ ACONTECENDO, O QUE FAZER E AS POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS!

Já faz um bom tempo que estou para escrever, afinal, há muito o que dizer sobre tudo isso, mas acho que faltava um empurrão. Empurrão que eu recebi hoje.

Acabei de chegar de um evento do IEA da USP que tinha como objetivo tratar do assunto das manifestações nas ruas.

http://www.iea.usp.br/noticias/iea-debate-manifestacoes-nas-ruas

Lá estavam reunidos alguns da elite intelectual da Universidade de São Paulo.

Antes de cada um falar, eram gastos alguns bons segundos falando sobre o currículo de cada um, e não eram pequenos.

Você, então, a princípio, sente-se um privilegiado por estar no meio de pessoas tão eruditas e aparentemente capazes de compreender o cenário atual.

Bem, começam a falar…

Sinceram.ente, não ouvi praticamente nada de novo e, dessa laranja, que a princípio parecia ser tão suculenta, muito pouco suco saiu, e me decepcionei.

Tirando as boas e lúcidas palavras de alguns, como Alexey Magnavita, além da participação de um senhor via Internet (pois estava no Rio de Janeiro), um uruguaio que está no Brasil há mais de 50 anos, um representante dos jovens que estão nas ruas e algumas boas palavras de um ou outro, na essência, com todo respeito, achei um encontro vazio e sonso, principalmente por ser coordenado pelos Cientistas Sociais da USP.

Sem dúvida deixo aqui meus parabéns para os realizadores do encontro. Uma atitude sábia e correta diante da situação. Mas entendo que erraram feio em não chamar jovens engajados e que vivem tudo isso.

Infelizmente muitos se demonstraram totalmente perdidos, em ideias, em conclusões e perdidos até para articular melhor sobre o tema, mas sem deixar de se autodenominar a elite intelectual das Ciências Sociais.

Não foi incomum relatarem fatos da história longínqua, traçando paralelos com este e aquele movimento, mas o fato é que a grande maioria ali estava totalmente perdida e, por mais que desejassem, não entendi que conseguiram fazer nenhum link razoável com qualquer fato histórico passado.

Mas por que estes homens de cabelos brancos, muitos tidos como intelectuais, estão tão perdidos?

Infelizmente, diferentemente de qualquer outro momento histórico da humanidade, parece que a lucidez, hoje, é inversamente proporcional ao número de cabelos brancos que uma pessoa tem na cabeça. Lógico que isso é apenas uma generalização. Há muitos de cabelos brancos bem lúcidos.

Mas infelizmente parece que quanto mais cabelos brancos na cabeça, menos uso de Internet e de mídias sociais, mais deboche destas ferramentas e menor percepção do mundo atual e como elas estão mudando e moldando nosso mundo.

Pasmem: não ouvi ninguém falar neste encontro sobre Internet e mídias sociais!

É por isso que não estão compreendendo nada. Porque o que está acontecendo não está em nenhum livro de história e não tem nenhum paralelo direto com nada que já aconteceu em algum passado longínquo, mas talvez uma análise de um passado bem recente, de apenas alguns anos atrás e do presente, ajudaria.

Hoje em dia, os ditos cientistas sociais precisariam viver dentro do Facebook, do Twitter, do YouTube, do Instagram , nos Blogs, etc. Afinal, estes são os fornos que moldam a nova sociedade.

Pensei até na hipótese de mudarem o nome da IEA – Instituto de Estudos Avançados para IEP – Instituto de Estudos do Passado.
:-p

Todos muito eruditos, sem dúvida, mas uma pena que esta “elite” do pensamento da USP esteja tão desatualizada e nitidamente longe dos meios que moldam nossa realidade (com algumas exceções).

Convido você a visitar a página e assistir ao vídeo para compreender melhor o que estou dizendo.
http://goo.gl/dkCax

Frustrações à parte e parte da minha catarse realizada, acho que já consigo agora falar um pouco sobre o tema que proponho: O QUE ESTÁ ACONTECENDO!

Bem, é relativamente simples compreender o que está acontecendo com o nosso Brasil. Mas para isso vou utilizar alguns exemplos e paralelos para ajudar a compreensão.

Todos nós conhecemos uma panela de pressão e sabemos como ela funciona. Uma panela praticamente hermeticamente fechada que, levada ao fogo, começa a aquecer os ingredientes que nela se encontram. O aquecimento expande estes ingredientes e libera gases que, não tendo por onde sair, acabam criando uma pressão interna. Com a pressão e a continuidade do aquecimento, a expansão e a liberação de gases continua e se acelera, e a pressão interna vai aumentando cada vez mais. Como esse processo é continuo e até mesmo retroalimentado, por que a panela não explode? Porque há uma válvula que permite que essa pressão escape, uma válvula que dá vasão a parte dessa pressão. Se não houvesse essa válvula, a panela com certeza explodiria, como sabemos que muitas já explodiram por defeitos nesta valiosa, fundamental e preciosa válvula de escape.

Bem, com esta ilustração em mente, vamos agora falar do Brasil.

Depois das “Diretas Já”, o Brasil sempre teve uma válvula de escape, e ela se chama PT. O PT, quando atuava como oposição, agia como porta-voz do povo. Através do PT, o povo se sentia representado. Isso sem dúvida funcionava como válvula de escape, dava vazão a muitas coisas e diminuía a “pressão interna”.  Ou seja, vemos aqui uma panela de pressão sem válvula.

Some-se a isso outro fator que precisa ser levado em consideração que é a ampla forma de tomarmos contato com a informação que temos hoje. Além da televisão abranger mais lares e de haver muito mais canais que informam, temos também o enorme poder disseminador de informação que é a Internet e os inúmeros meios digitais pelos quais as notícias chegam. Através de telefones celulares, que fazem muito mais coisas do que apenas ligar, tablets, computadores e outros dispositivos até mesmo em elevadores, hoje a informação é amplamente disseminada, e povo acaba sendo informado muito rapidamente dos fatos e acontecimentos, de uma forma como nunca aconteceu. Com tudo isso, muito menos coisas passam despercebidas atualmente. Entendo que podemos comparar isso ao fogo da nossa ilustração. A ampla forma de comunicação esquenta nossa panela de pressão.

Por fim, some-se a isso também toda a forma corrupta de atuação dos nossos governantes, todo o descaso deles com o povo, todos os desvios de dinheiro público, os escândalos do mensalão, dentre outros, o empossamento de pessoas claramente corruptas para cargos de liderança nacional, enormes quantias de dinheiro sendo gastas em estádios, enquanto que a educação, a saúde e a segurança sofrem, mencionando apenas os casos já mais conhecidos, enquanto o povo vive esmagado em transportes de baixíssima qualidade, mal atendido na saúde, via os governantes ganhando cada vez mais, aumentando seus salários e, para espanto nacional, tentando até mesmo mudar as leis de forma a não serem punidos por seus erros. Em minha ilustração, considero o poder político como os ingredientes, que por estarem podres e em estado de decomposição, liberam ainda mais gases, aumentando enormemente a pressão interna de nossa panela.

Temos então uma panela de pressão com ingredientes podres, sendo superaquecida pelos meios de comunicação e sem válvula de escape. O que será que vai acontecer?

Faço minhas as palavras de um dos lúcidos palestrantes de hoje: fico espantado com o espanto de todos quanto aos acontecimentos! Sim, pois era óbvio e notório que isso iria acontecer.

Mas e os vinte centavos, onde entram na história?

Valendo-me de outra ilustração, imagine uma bexiga parcialmente cheia. E imagine você puxando essa bexiga pela sua casa, arrastando-a pelo chão enquanto você anda. Ela bate nos móveis, nos objetos e não estoura porque está apenas parcialmente cheia.

Mas agora imagine-a cheia, muito cheia mesmo, tal qual nossa panela de pressão. Agora ande com esta bexiga muito, muito cheia pela casa, arrastando-a pelo chão e deixando-a bater na quina dos móveis e dos objetos. O que vai acontecer?

Sim, ela vai estourar!

Talvez tenha estourado porque bateu na quina da mesa, mas se não fosse a quina da mesa, seria o enfeite, seria a quina de outro móvel ou qualquer coisa que propiciasse o estouro.

Portanto, os vinte centavos foram, sim, o detonador do estado atual, mas essa “quina” só estourou a “bexiga” porque ela estava muito cheia, a ponto de explodir, tal qual a panela de pressão.

Há de se ressaltar fortemente dois fatores recentes que alteraram muito o mundo em que vivemos: a enorme capacidade de capturar os fatos com fotos e vídeos graças aos nossos supercelulares e a forma extremamente rápida de divulgação que a Internet e as mídias sociais possibilitam.

Considero isso como se várias chamas estivessem aquecendo aquela nossa panela de pressão e precipitando tudo com uma velocidade gigantesca. Sobre este ponto, há de se analisar os movimentos “de manada” que a Internet propicia.

Eu poderia mencionar vários casos dos últimos 18 anos de Internet, mas vou me focar em apenas alguns mais significativos. Vimos em 1996 a rápida ascensão da Netscape, mas já logo no ano seguinte a tomada deste mercado pela Microsoft com o Internet Explorer. Vimos depois o Yahoo despontar como líder dos buscadores, mas também, da mesma forma, perder totalmente seu posto para o recém-nascido Google. Mais recentemente, vimos o nascimento e crescimento do Orkut, mas, da mesma forma, a migração em massa para o Facebook, enquanto o Twitter e o YouTube, paralelamente, também se consolidam como instrumentos de massa.

O ponto que quero dizer é que a Internet propicia o efeito manada e também o efeito agregador.

Estamos vendo agora esses efeitos acontecerem exatamente neste momento! As lideranças do Movimento Passe Livre utilizaram estas ferramentas e conseguiram organizar seus movimentos por meio das mídias sociais.

Ao irem às ruas, conseguiram a adesão de muitos outros, já insatisfeitos com a situação, que engrossaram o caldo. Não sendo compreendidos e tendo seus direitos desrespeitados, sofrendo ataques físicos amplamente fotografados, filmados e disseminados pela Internet e pelas mídias sociais, acabaram por sensibilizar ainda mais uma população já cansada dos governantes e que, não tendo uma válvula de escape, sentia-se oprimida, esmagada.

Como uma pequena rachadura num dique, num reservatório de água, que é suficiente para abalar toda a estrutura, as primeiras tentativas de dissipar e desmoralizar a manifestação tiveram efeito contrário e serviram apenas para pressionar ainda mais um povo já oprimido. A estrutura não resistiu e uma avalanche de pessoas veio às ruas, expondo todas as mazelas dos nossos governantes e fazendo inúmeras reivindicações lícitas e corretas.

E o Brasil inteiro acordou!

Bem, mas e agora? O que fazer diante desse caos?

Nossos líderes talvez estejam procurando a liderança política deste movimento para negociar (comprar), mas eles têm que perceber que não há uma liderança política, há apenas a quina do móvel que estourou a bexiga (os vinte centavos) que foi o Movimento Passe Livre. Mas agora, a bexiga já estourou e o povo todo está nas ruas. Ou seja, eles terão que negociar sim, mas com 200 milhões de brasileiros, e não mais com um ou meia dúzia, como o Sr. Luiz Inácio Lula da Silva está acostumado a fazer.

Além disso, também devem estar procurando qual meio de comunicação devem aliciar ou chantagear, de modo a manobrar todo esse povo, como costumeiramente sempre fizeram. O fato é que agora não há uma emissora capaz de manobrar o povo, pois o grande alimentador de informação é a Internet e as mídias sociais. A Globo pode até cobrir, mas quem está formando mesmo a opinião são as mídias sociais na Internet.

Esse é um quadro totalmente novo com que, acredito, nenhum intelectual social ou político está preparado para lidar!

Mas o povo está inquieto, impaciente. Como acalmar o povo para que os governantes e as estruturas não desapareçam? Afinal, o povo descontente do jeito que está poderá, sim, destruir a estrutura toda e acabar com os governantes e com o estado.

Não podemos esquecer que precisamos deles, dos governantes e da estrutura de estado, para que as melhorias ocorram e não nos encontremos numa situação ainda pior do que a atual.

O que fazer, então?

Bem, a meu ver, o que deve ser feito agora é que nossos governantes primeiramente compreendam claramente porque tudo isso aconteceu. Eles precisam se conscientizar de que o povo não é mais desinformado e facilmente manipulado, está vendo o que eles estão fazendo e o que não estão fazendo, e não podem mais agir com a imprudência e com a falta de respeito para com o povo e o dinheiro público, como sempre fizeram.

Não se deve esquecer também que o tal “efeito manada” serve para os dois lados e, ao mesmo tempo em que por um lado ele inflama, ele tem também o poder de esfriar, mas desde que utilizado corretamente.

Portanto, nossos governantes precisam mudar definitivamente sua forma de agir e enxergar que não há mais espaço para coisas como a PEC 37 e os conchavos políticos que colocaram e mantém o Renan Calheiros no poder, por exemplo. Nossos governantes precisam acordar também e perceber que aquele mundo em que eles viveram até a semana passada ACABOU! Se eles não se conscientizarem disso RÁPIDO, e continuarem com posturas inadequadas, tudo pode realmente ruir, sem contar que eles poderão desaparecer de vez da face da Terra.

Os ingredientes PRECISAM PARAR DE EXALAR MAL ODORES!

Esta é o primeiro passo que precisa acontecer: A CONSCIENTIZAÇÃO DO NOVO MOMENTO POR PARTE DOS NOSSOS GOVERNANTES!

Se isso acontecer, entendo que o próximo passo é produzir AÇÕES QUE DEMONSTREM ISSO!

Quais?

Sabemos claramente que uma das principais reivindicações do povo é justiça e podemos compreender como justiça, por exemplo, colocar quem rouba na cadeia, certo?

Podemos entender também como justiça a aplicação correta do dinheiro público. Podemos entender também como justiça não se preocupar em ser julgado. Podemos entender também como justiça agir com transparência, dentre outras coisas.

Entendo, então, que se nossos governantes realmente tiverem se conscientizado do novo momento, o próximo passo seria agir em harmonia com o novo momento, com energia e com ações como:

– Acabar em definitivo com a tal PEC 37;

– Retirar o Renan Calheiros da Presidência do Senado (e, por que não, aproveitar e retirar também o Marco Feliciano da comissão dos Direitos Humanos);

– Colocar os mensaleiros atrás das grades.

Entendo que se apenas estas três ou quatro atitudes forem tomadas, O POVO ACALMARÁ MUITO! E o efeito-manada acontecerá igualmente, só que desta vez tirando o povo das ruas e dando aos nossos governantes UM VOTO DE CONFIANÇA!

Não há omeletes sem quebrar ovos, portanto, sabendo disso, que se quebrem logo os ovos! Aí, com a paz relativamente reconquistada, podemos continuar com nossas reinvindicações e continuando a limpar o nosso Brasil.

Mas há de ficar muito claro para nossos governantes que o Brasil nunca mais será o mesmo e que se daqui pra frente não agirem com transparência, zelo com o dinheiro público e dignidade para com a nação, tudo acontecerá novamente, só que dessa vez não terão mais nenhum voto de confiança.

Se isso acontecer, quero crer que teremos dado início a um novo Brasil e a Copa poderá até acontecer. Mas se isso não acontecer, não acho que o povo irá se acalmar e também acho que o povo desejará quebrar os ovos com as próprias mãos e aí poderá acabar quebrando toda a cozinha.

Sim, pois duvido que o povo perceba o que realmente signifique estar à beira de uma guerra civil, com a possível dizimação dos governantes, do estado e com o caos instaurado. E, pior, estamos totalmente sem liderança! Esse cenário poderá significar um momento realmente muito triste para a nação, colocando tudo a perder.

Algo parecido aconteceu na Espanha recentemente, onde um governo ultraliberal assumiu o poder após revoltas populares e jogou o país na merda, deixando a Espanha com altos índices de desemprego. Só que com uma grande diferença: não temos uma União Europeia com Alemanha e França para pagar nossas contas. Aqui o risco Brasil explodiria, juntamente com o dólar e a volta da inflação, e estaríamos em condições ainda piores do que as de hoje.

Por isso, ambos os lados precisam tomar muito cuidado!

Concluindo, o cenário é realmente muito crítico e delicado. De um lado temos um povo oprimido, gritando por dias melhores e aparentemente buscando isso a qualquer custo; do outro, temos governantes totalmente despreparados para suas posições, que só souberam promover seus próprios interesses.

Aí estão minhas opiniões sobre o que está acontecendo e o porquê de estarmos aqui, bem como também o que eu acho que pode ser feito para amenizar os ânimos e as possíveis consequências.

Mas fato é que realmente não sabemos como será o amanhã, pois ele depende totalmente de como cada um dos lados agirá.

 

Sobre o Tiririca

Oi

Nesta segunda feira, onde todos estamos com uma certa ressaca do tema eleições, apenas uma rápida reflexão.

Na minha opinião, eu acho que tivemos um excelente domingo de votação.

Primeiramente pela paz com que tudo acontece e também pela tecnologia e velocidade que nosso país tem no que diz respeito à urna/eleição.

Realmente damos um show neste quesito e o mundo continua nos copiando.
Parabéns Brasil!

Fiquei feliz também em perceber que o brasileiro está ficando cada vez mais civilizado democraticamente e devagarinho, nosso povo parece começar a ganhar consciência política.

Por exemplo, não deu Dilma no primeiro turno, o que nos dá ainda uma esperança neste assunto.

Também não ganhou Netinho e vários outros tão pouco preparados para assumir cargos com de tanta responsabilidade.

Veja abaixo a lista dos mais suspeitos bem como seu respectivo resultado:

No entanto, nesta lista ainda figura o Tiririca, candidato que teve mais 1.3 milhões de votos.

Isto é mais do que teve o Candidato Plínio, e os candidatos Celso Russomano e Paulo Skaf, que concorreram para o governo de São Paulo.

No entanto, será que o Tiririca está errado?

Veja bem, ele enviou sua candidatura e foi aceito, ou seja, ele esta dentro da lei.

Depois, ele fez sua campanha com enorme honestidade, afinal, ele disse que sequer sabia o que um Deputado Federal fazia.

Ele não prometeu nada, ele apenas disse: Votem em mim.

Sua campanha foi totalmente ELE, o que ele é.

Ele não inventou, não mentiu, ao meu ver, ele foi totalmente honesto.

Veja, eu não estou entrando no mérito se ele está ou não capacitado para o cargo que agora ocupa, estou apenas dizendo que aparentemente, ele foi honesto e o que fez foi mostrar o que ele é mesmo.

Vejam a entrevista que ele deu à Folha OnLine, na semana passada, quando ainda estava em campanha:

Entrevista da Folha OnLine com o candidato Tiririca


Por que você decidiu se candidatar?
Tiririca – Eu recebi o convite há um ano. Conversei com minha mãe, ela me aconselhou a entrar porque daria pra ajudar as pessoas mais necessitadas. Eu tô entrando de cabeça.

De quem veio o convite?
Do PR.

Como foi?
Por eu ser um cara popular, eles acreditaram muito, como eu também acredito, que tá certo, eu vou ser eleito.

Sabe o que o PR propõe, como se situa na política?
Cara, com sinceridade, ainda não me liguei nisso aí, não. O meu foco é nessa coisa da candidatura, e de correr atrás. E caso vindo a ser eleito, aí a gente vai ver.

Quais são as suas principais propostas?
Como eu sou cara que vem de baixo, e graças a Deus consegui espaço, eu tô trabalhando pelos nordestinos, pelas crianças e pelos desfavorecidos.

Mas tem algum projeto concreto que você queira levar para a Câmara?
De cabeça, assim, não dá pra falar. Mas como tem uma equipe trabalhando por trás, a gente tem os projetos que tão elaborados, tá tudo beleza. Eu quero ajudar muito o lance dos nordestinos.

O que você poderia fazer pelos nordestinos?
Acabar com a discriminação, que é muito grande. Eu sei que o lance da constituição civil, lei trabalhista… A gente tem uma porrada de coisa que… de cabeça assim é complicado pra te falar. Mas tá tudo no papel, e tá beleza. Tenho certeza de que vai dar certo.

Quem financia a sua campanha?
Então… o partido entrou com essa ajuda aí… e eu achei legal.

Você tem ideia de quanto custa a campanha?
Cara, não tá sendo barata.

Mas você não tem ideia?
Não tenho ideia, não.

Na propaganda eleitoral você diz que não sabe o que faz um deputado. É verdade ou é piada?
Como é o Tiririca, é uma piada, né, cara? ‘Também não sei, mas vote em mim que eu vou dizer’. Tipo assim. Eu fiz mais na piada, mais no coisa… porque é esse lance mesmo do Tiririca.

Mas o Francisco sabe o que faz um deputado?
Com certeza, bicho. Entrei nessa, estudei para esse lance, conversei muito com a minha mãe. Eu sei que elabora as leis e faz vários projetos acontecer, né?

O que você conhece sobre a atividade de deputado?
Pra te falar a verdade, não conheço nada. Mas tando lá vou passar a conhecer.

Até agora você não sabe nada sobre a Câmara?
Não, nada.

Quem são os seus assessores?
Nós estamos com, com, com…. a Daniele…. Daniela. Ela faz parte da assessoria, junto com…. Maionese, né? Carla… É uma equipe grande pra caramba.

Mas quem te assessora na parte legislativa?
É pessoal do Manieri.

Quem é o Manieri?
É… A, a, a…. a Dani é que pode te explicar direitinho. Ela que trabalha com ele. Pode te explicar o que é.

Por que seu slogan é ‘pior que tá, não fica?
Eu acho que pior que tá, não vai ficar. Não tem condições. Vamos ver se, com os artistas entrando, vai dar uma mudança. Se Deus quiser, pra melhor.

Esse slogan é um deboche, uma piada?
Não. É a realidade. Pior do que tá não fica.

Você pretende se vestir de Tiririca na Câmara?
Não, de maneira alguma.

Quem é o seu espelho na política?
Pra te falar a verdade, não tenho. Respeito muito o Lula pelo que ele fez pelo nosso país. Ele pegou o país arrasado e melhorou pra caramba.

Fora ele…
Quem ele indicar, eu acredito muito. Vai continuar o trabalho que ele deixou aí.

Então você vota na Dilma.
Com certeza. A gente vai apoiar a Dilma. Ele tá apoiando e a gente vai nessa.

Não teme ser tratado com deboche?
Não, cara. Não temo nada disso. Tô entrando de cabeça, de coração. Tô querendo fazer alguma coisa. Mesmo porque eu sou bem resolvido na minha profissão. Tenho um contrato de quatro anos com a Record. Tenho minha vida feita, graças a Deus. Tem gente que aceita, mas a rejeição é muito pouca.

Se for eleito, vai continuar na TV?
Com certeza, é o meu trabalho. Vou conciliar os dois empregos.

Em quem votou para deputado na última eleição?
Pra te falar a verdade, eu nunca votei. Sempre justifiquei meu voto.

Esta a entrevista foi feita pela Folha OnLine:
http://www1.folha.uol.com.br/poder/787678-nao-e-piada-e-a-realidade-diz-tiririca-sobre-slogan-de-campanha.shtml

Em resumo…

Qualquer um pode se candidatar, já conseguir ganhar é outra coisa.

O Tiririca foi ele mesmo, foi honesto em tudo o o que disse e se é hoje um Deputado Federal do Brasil, ele está lá porque O POVO O ELEGEU.

Será então que podemos condená-lo?
:-/

A culpa do Tiririca ser hoje um Deputado é do povo e não dele.

Enfim… agora é ficar de olho para ver o que ele faz.

Quem sabe até não possamos nos surpreender, né?
😐

Afinal, a esperança é a última que morre
🙁

Abraços

A Amazônia é nossa

Afinal não é todo dia que um brasileiro dá um esculacho educadíssimo nos americanos.

Durante debate em uma Universidade, nos Estados Unidos, o ex-governador do Distrito Federal, CRISTOVAM BUARQUE, foi questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia. O jovem americano introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um humanista e não de um brasileiro.

Esta foi a resposta do Sr. Cristovam Buarque:

De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso.

Como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, posso imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a humanidade.

Se a Amazônia, sob uma ética humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço. Da mesma forma, o capital financeiro os países ricos deveria ser internacionalizado.

Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou de um país. Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrarias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as Reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.

Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país.

Não faz muito, um milionário japonês, decidiu enterrar com ele, um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado. Durante este encontro, as Nações Unidas estão realizando o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparece r por constrangimentos na fronteira dos EUA.

Por isso, eu acho que Nova York, como sede das Nações Unidas, deve ser internacionalizada. Pelo menos Manhatan deveria pertencer a toda a Humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza especifica, sua historia do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro.

Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil. Nos seus debates, os atuais candidatos a presidência dos EUA tem defendido a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida.

Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do Mundo tenha possibilidade de COMER e de ir a escola. Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazônia.

Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um patrimônio da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar, que morram quando deveriam viver. Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa!

Esta matéria foi publicada no New York Times/Washington Post Today e nos maiores jornais americanos, da Europa e Japão no mês de Agosto de 2001.

No Brasil, esta matéria ainda não foi publicada.
Acredito que vale a pena divulgá-la.