Nasce o Bing.com! Enquanto isso, a Google prepara seu “Wave”

Hoje sem dúvida é um dia muito importante para a web, nasceu o Bing (http://www.bing.com), o novo search engine (buscador) da Microsoft, que vem para concorrer com o Google.

 

Minhas primeiras impressões foram as melhores possíveis. Muito rápido e assertivo. Sem dúvida já tomou um lugar na minha mente na hora em que eu pensar em buscar algo na web.

 

A proposta do Bing não é apenas ser um  buscador, mas um serviço que ajudará na tomada de decisão, tipo:

 

·         Quer saber onde comer?

·         O melhor preço de algum produto?

·         Onde encontrá-lo?

 

Enfim… o Bing parece que será uma união de Google + Mercado Livre + Buscapé + Outros…

 

É uma proposta audaciosa. Agora vamos acompanhar e ver se pega.

 

Mas enquanto a Microsoft lança o Bing, do outro lado, a Google apresentou na semana passada seu novo serviço que pretende substituir não só os atuais correios eletrônicos, mas também quase todas as outras formas de comunicação online.

 

O Google Wave, um serviço que tem como objetivo mudar forma como usamos e-mails e todas as formas de comunicação na web (o que poderá vir a ser um grande golpe no Outlook e Messenger da Microsoft).

 

 

O “Google Wave” combina e-mail, chat, troca de fotos e vídeos, feeds e muitos mais em um mesmo ambiente colaborativo. Aliás, o ambiente colaborativo é um dos principais pontos fortes do serviço, pois a interatividade que o Google Wave oferece é algo nunca visto na web.

 

No novo produto, uma “wave” (onda) inclui lado a lado partes de “conversas” e documentos, permitindo que as pessoas se comuniquem e interajam enquanto trocam arquivos como textos, fotos, vídeos, mapas, etc. Tudo no mesmo ambiente.

 

A idéia por trás do Wave é unificar todos esses modelos em um contínuo, da forma mais simples possível; e tirar proveito das atuais capacidades dos computadores (e da web), em vez de imitar as formas não-eletrônicas.

 

Mas como funciona? O primeiro passo é criar uma “Wave” e convidar pessoas para participarem dela. Todos que estão na mesma “onda” podem incluir textos, fotos, wikis, links, etc. Cada item da “onda” pode ser comentado ou editado e as modificações são vistas por todos em tempo real. Segundo o Google, a latência é medida em poucos milissegundos. E se você perde alguma parte da conversa, é possível reprisar todo o processo, para entender como ele evoluiu.

 

O Google Wave só deverá estar disponível para o público em alguns meses. Se você quiser ser avisado sobre o lançamento, basta se inscrever em http://wave.google.com, onde tem um vídeo que vale a pena ser visto (se você tiver tempo).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 4 =