A web morreu mesmo?

Segundo a Wired, revista americana das mais influentes em tecnologia no mundo, a resposta é sim.

Ela mostra na capa deste mês um título que impressiona:

A web está morta (The Web is dead)

Vou então fazer este post em 3 partes: na primeira parte, vou fazer um overview da matéria; na segunda, vou dar minha opinião sobre o assunto e na terceira, vou fazer um comentário final.

Vamos então para o overview da matéria…

Para entendermos melhor isso tudo, é preciso antes contextualizar um pouco essa história.

A Internet é muito mais do que web, e isso não está querendo dizer que a Internet está morta, mas sim, que a web, uma parte da Internet, é que está morta. Eu prefiro dizer está morrendo, ou mesmo, está perdendo o valor que já teve um dia.

E só para não haver mal entendidos, Internet é a conexão existente entre computadores e suportada pelo protocolo TCP/IP.

Fazendo uma ilustração, esta conexão física e este protocolo formam algo como uma rodovia asfaltada, por onde passam vários tipos de veículos: caminhões, ônibus, carros, motos, etc. Cada veículo que trafega na rodovia pode ser comparado a um serviço: email, voip, web, etc.

A Web são as páginas que você acessa com o seu navegador (browser). Existem muitos outros tipos de tráfego que também precisam da Internet (da rodovia) mas que não acontecem através do navegador, como por exemplo serviços como Messenger, Skype, e-mails quando lidos pelo Outlook e aplicativos que você utiliza no iPhone ou iPad.

O que essa matéria está querendo dizer é que a web, a parte da Internet que você acessa através do seu navegador ou browser, está morrendo. E aqui há ainda outro ponto que precisa ser considerado: o navegador está sendo utilizado cada vez mais apenas para chegar a sites que oferecem serviços específicos e fechados.

Na hora em que acessamos estes sites, muito embora estejamos dentro do navegador, não estamos mais necessariamente na World Wide Web, mas dentro daquele site específico, e muitas vezes despendemos horas dentro dele, como por exemplo o Twitter, Facebook, Orkut ou mesmo a Curriculum.

A Curriculum é um excelente exemplo disso. Na Curriculum uma empresa se loga de manhã em busca de currículos e muitas vezes fica o dia todo. Ela não está na web, mas na Curriculum, um serviço específico que faz uso do navegador como um software client side.

O gráfico abaixo demonstra claramente o declínio da Internet. Na horizontal você tem uma linha de tempo e, na vertical, a parcela que cada serviço anda consumindo do total do tráfego da Internet nos EUA.

Veja o claro declínio da web, chegando próximo de 23% de utilização:

Numa rápida análise do gráfico acima, note que em 1990 a web não significava nada (vermelho), pois ela nem sequer existia. Aí ela nasce e tem seu pico no ano de 2000. Desde então, entra em declínio. Outros serviços como o FTP (laranja) e newsgroup (rosa claro) já praticamente morreram ou significam muito pouco do todo. Já o vídeo (rosa escuro) nasce por volta de 1995, cresce um pouco mais a partir de 2000, mas pega força mesmo por volta de 2006.

Mas é muito importante lembrar que neste espaço dedicado à web no gráfico acima ainda se incluem todos os serviços fechados, já mencionados antes, tais como Twitter, Facebook, Orkut ou mesmo a Curriculum. Segundo a matéria, o tráfego que estes sites vêm gerando cresce a cada ano, e acho que ninguém discorda disso. Afinal, quem hoje não tem Orkut, Facebook ou não despende muitas horas em sites deste tipo?

Segundo a Compete, uma empresa de análise da web, em 2001 estes sites fechados significavam 31%, em 2006 representavam 40% e agora em 2010 eles formam 75%. Ou seja, 75% destes 23%, algo como 18%, não é web propriamente dita. Em outras palavras, a web parece ter apenas algo como 5% do tráfego da Internet de hoje.

O maior impacto disso é que este é um mundo onde o Google não tem atuação alguma e que ele não pode rastrear e indexar. E é um mundo que oferece vários serviços e que vem agregando cada vez mais pessoas que muitas vezes gastam muitas horas do dia em detrimento do resto da web, e pelo que parece, é aparentemente para onde todos estamos indo.

O Facebook, por exemplo, é um destes sites fechados onde o Google não consegue atuar e que já o ultrapassou em volume de tráfego, páginas visitadas, tempo despendido, etc.  E conta agora, na data em que escrevo este post, com nada menos que meio bilhão de usuários! É muita gente! E como se não bastasse, temos um número cada vez mais crescente de pessoas que acessam a Internet através de dispositivos móveis, como o celular, por exemplo, e neles há cada vez mais aplicativos que oferecem serviços que não fazem parte da web, portanto não são acessíveis ao Google.

O problema também é que, de um lado, enquanto as empresas estão aprendendo cada vez mais a aparecer no Google sem precisar investir em SEO e os usuários paralelamente fogem cada vez mais dos links patrocinados SEM, de outro, muita gente está aprendendo a ganhar dinheiro com aplicativos para iPhone e iPad. Está surgindo uma infinidade deles. E a Apple, que é dona do hardware, do software, dos aplicativos, vende música e mais várias outras coisas, está batendo cada vez mais forte no Google. E o Facebook, hoje o maior site e a maior comunidade da Internet, também vem oferecendo vários aplicativos dentro do seu site e segurando cada vez mais o usuário também dentro do seu site. Quem não brincou de FarmVille ou Mafia Wars? Tudo isso afeta demais o uso e o futuro da Internet. Uma das maiores encrencas de toda essa brincadeira é o impacto que tudo isso causa lá em Wall Street, pois quando dizemos que a web está morrendo, damos a entender também que o Google está perdendo sua força e, consequentemente, seu valor. Isso traz várias consequências, pois impacta todo o mercado de ações e o apetite de se investir em Internet. Uma matéria de capa como esta, da Wired, sem dúvida deve ter feito muitos investidores tremerem de medo, e há de se tomar muito cuidado, pois estes rumores e burburinhos afetam todo o mercado. Todos viram a queda, ou melhor, o despencar que a Internet teve em 2000. Por isso, há de se ter muita cautela ao se dizer coisas como estas.

E agora vou dar a minha opinião sobre ela …

Diante de todo este quadro aterrorizante que a Wired abordou é importante que duas coisas sejam ditas:

A primeira é que, a meu ver, a web sempre continuará existindo. Dizer que ela está morta é um exagero que pode até ajudar a vender revistas, mas que não retrata a verdade. Ao analisar aquele gráfico lá em cima e ver que ela saiu de uma presença de 50% de tráfego em 2000 para menos de 25% hoje, muito embora seja verdade, pode oferecer uma forma bastante distorcida de leitura, pois hoje a Internet é muito maior do que em 2000. Os 25% de hoje, com certeza, são muito mais do que os 50% de 2000.

Para mim, o gráfico deveria ser mais ou menos assim:

E este gráfico nem mostra o crescimento real da Internet que foi muito, mas muito maior do que este. Mas se eu fosse querer demonstrar o real crescimento, ele ficaria ilegível demais e eu precisaria produzir outra imagem. Então, utilizei a mesma imagem de cima e fiz algo livre de parâmetros reais, mas só para demonstrar o que deveria significava ser 50% da Internet em 2000 versus ser 23% da Internet em 2010. Sem dúvida significa muito mais ser 23% em 2010 do que 50% em 2000.

Ou seja, uma coisa é analisar a porcentagem do tráfego, outra é analisar os números absolutos.

O outro ponto é que percebemos claramente que quase 50% do tráfego de hoje é consumido com vídeos. No entanto um vídeo consome muita banda, e a quantidade de bytes de um vídeo muitas vezes é similar a centenas de páginas web. Ou seja, há ainda muita página web na Internet e este número cresce a cada dia. Vale lembrar também que o grande líder deste tráfego de vídeo é o YouTube, que é do Google. Ou seja, o Google também ainda está muito vivo e atuante.

É fato também de o Facebook, Twiter, Orkut, LinkedIn, Curriculum e vários outros sites similares estarem crescendo e roubando a cena, e nos levando cada vez mais para dentro deles. Mas acho que a web como conhecemos ainda continuará a existir e a crescer, e muito embora percentualmente possa até significar cada vez menos do tráfego total da Internet, em termos de números absolutos continuará crescendo sempre.

Agora meu comentário final…

Este mundo da tecnologia é mesmo muito louco. Eu me lembro, bem lá atrás, quando a IBM era o grande player de tecnologia, uma gigante que fabricava computadores e mainframes. Quando ninguém imaginava que ela poderia sofrer qualquer abalo, veio a Apple com seus pequenos computadores pessoais e roubou a cena. Mas logo em seguida vi a Microsoft com seus sistemas operacionais DOS e depois o Windows e o pacote Office roubar a cena e se tornar gigante, a maior empresa de tecnologia do mundo, fazendo do seu dono o homem mais rico do mundo por vários anos consecutivos. Mas a Microsoft desdenhou da Internet em 1996 e, no livro “A estrada do futuro”, Bill Gates sequer mencionou a palavra Internet. Que visão de futuro boa ele tem, não é mesmo? E aí então veio a Netscape e quase roubou a cena, mas o poder financeiro da Microsoft, bem como seu parque instalado de sistema operacional permitiram que ela corrigisse a tempo o curso das coisas, e o Internet Explorer se tornou o navegador nosso de cada dia. Surgiu o Yahoo, mas aí veio o Google e atropelou não só a Microsoft como o Yahoo, roubando totalmente a cena. Até pouco tempo era o Google que tinha a aura de empresa moderna e do futuro. Mas todos vimos nestes últimos anos a Apple de Steve Jobs renascer das cinzas com seus iPod, iPhone, iPad, iTunes, MacBooks e outros hardwares, softwares e serviços que literalmente vêm roubando a cena do Google. Por fim, estamos vendo agora o Facebook de Zuckeberg também ameaçando fortemente o poderoso Google.

Você percebeu que nenhum deles, muito embora estivesse na liderança, tivesse muito dinheiro, departamento de pesquisas e provavelmente as cabeças mais brilhantes do mercado, conseguiu prever o próximo movimento? Muito louco isso, não é mesmo? E isso acontece porque as mudanças deste nosso mundo moderno são muito imprevisíveis. O mundo hoje é muito, muito dinâmico.

Como disse no início deste artigo, para mim ela está deixando de ser a estrela que já foi um dia, mas sempre existirá.

No entanto, uma coisa não podemos negar ou deixar de reconhecer: a Internet é “A” revolução. Tudo o que foi dito nesta matéria gira em torno dela, e enquanto uma parte dela morre, outra nasce. Sem sombra de dúvidas, a Internet veio para ficar e mudar definitivamente as nossas vidas.

1 pensou em “A web morreu mesmo?

  1. Stee

    Aparentemente a internet é parte de um gigantesco processo. A sociedade da informação, ou economia do conhecimento (aqui pouco importam os deslizes semânticos) trata-se de um extraordinário processo da modernidade. Por outro lado, esse processo está imbricado com o capital econômico e os meandros capitalisticos. A chamada Crise da Razão, no ápice da segunda guerra, deu lugar a um mundo racionalizado, em rede, e absolutamente movido ao conhecimento sistemático e voltado para produção e consumo. A internet é tudo isso, somado a uma revolução digital, continuidade dos processos da revolução industrial, que nos levam a um mundo realmente novo. Concordo com boa parte do que você disse meu caro amigo, e acrescento que nossas relações interpessoais, institucionais, e informacionais estão em profunda transformação. Essa é a (desconhecida) estrada do presente! Um abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × quatro =