Arquivo da tag: Comportamento

O Tamanho das Pessoas

Os Tamanhos variam conforme o grau de envolvimento…

Uma pessoa é enorme para você, quando fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado.

É pequena para você quando só pensa em si mesma, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em que teria  que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade, o carinho, o respeito, o zelo e até mesmo o amor

Uma pessoa é gigante para você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento, quando sonha junto com você. E pequena quando desvia do assunto.

Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma.

Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês.

Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relaciona-mento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas.

Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande.

Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser ínfimo.

É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos. Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações.

Uma pessoa é única ao estender a mão, e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma.

O egoísmo unifica os insignificantes.

Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande… é a sua sensibilidade, sem tamanho…

(Willian Shakespeare)

Um Verdadeiro Empreendedor

Podemos interpretar que ter uma visão crítica de uma questão pode ser tanto olhá-la de maneira minuciosa, detalhada, quanto fazer um julgamento pessimista ou hostil dela.

A meu ver, o empreendedor é um otimista, uma pessoa repleta de energia voltada para realizar, portanto, analisa tudo com muito critério e não esquece nenhum detalhe, mas sem dar mais crédito ao pessimismo do que dá às oportunidades que podem surgir, mesmo em situações adversas.

A visão do mercado e da realidade andam juntas. É analisando a realidade não só do mercado mas de todo o contexto em que seu negócio ou carreira estão inseridos que se torna possível constatar as melhores oportunidades, o que é ou não viável se fazer, para atingir as metas.

O empreendedor observa o presente para estar à frente do seu tempo! Vou contar uma história que pode exemplificar muito bem isso. Um homem investe tudo o que tem numa pequena oficina. Trabalha dia e noite, dormindo apenas quatro horas por dia, ali mesmo, entre um pequeno torno e algumas ferramentas espalhadas. Para continuar seus negócios, empenha sua casa e as jóias da esposa.

Quando, finalmente, apresenta o resultado de seu trabalho a uma grande empresa, recebe a resposta de que seu produto não atende ao padrão de qualidade exigido. O homem desiste? Não! Observe que ele tem uma grande visão crítica de seu próprio produto.

Ele volta à escola por mais dois anos, sendo vítima de chacota de seus colegas e de alguns professores, que o chamam de “louco”. O homem desiste? Não! Mais uma vez sua visão crítica…

Dois anos depois de concluir o curso de Qualidade, a empresa que o recusou, finalmente, fecha contrato com ele. Seis meses depois, vem a guerra. Sua fábrica é bombardeada duas vezes. O homem se desespera e desiste? Não! Reconstrói sua fábrica, mas um terremoto novamente a arrasa. Você pensará, é claro: bom, agora sim ele desiste!

Mais uma vez não! Imediatamente após a guerra há uma escassez de gasolina em todo o país e este homem não pode sair de automóvel, nem para comprar alimentos para sua família. Ele entra em pânico e decide não mais continuar seus propósitos? Não! Criativo, ele adapta um pequeno motor à sua bicicleta e sai às ruas.

Os vizinhos ficam maravilhados e todos querem as chamadas “bicicletas motorizadas”. A demanda por motores aumenta e logo ele não conseguirá atender todos os pedidos! Outra vez, sua visão crítica…

Ele decide montar uma fábrica para a novíssima invenção. Como não tem capital resolve pedir ajuda para mais de 15.000 lojas espalhadas pelo país. Como a idéia parece excelente, consegue a ajuda de 3.500 lojas, as quais lhe adiantam uma pequena quantidade de dinheiro. Hoje, a Honda Corporation é um dos maiores impérios da indústria automobilística! Esta conquista foi possível porque o sr. Soichiro Honda, o homem de nossa história, não se deixou abater pelos terríveis obstáculos que encontrou pela frente.

Quantos de nós desistimos por muito menos? Quantas vezes o fazemos antes de enfrentar minúsculos problemas? Todas as coisas são possíveis, quando sustentadas por sonhos e valores consistentes.

Tenha foco no seu mercado, na sua área de atuação e também nas tendências desses segmentos, mas sem esquecer que para isso você precisa ter flexibilidade suficiente para transformar problemas em solução e erros em vantagem. Analise com calma o que está ao seu redor para tentar identificar mudanças e novas tendências. Ao encontrá-las procure criar uma vantagem única para o seu negócio ou carreira.

Mantenha uma busca constante e organizada por novas oportunidades e tenha cuidado redobrado ao distinguir entre a realidade e o que as pessoas pensam que ela é, ou o que ela deve ser. Pesquise e analise muito!

Este texto é da Leila Navarro

O Tolo

Conta-se que numa pequena cidade do interior um grupo de pessoas se divertia com o idiota da aldeia.

Um pobre coitado de pouca inteligência, que vivia de pequenos biscates e esmolas.

Diariamente eles chamavam o bobo ao bar onde se reuniam e ofereciam a ele a escolha entre duas moedas – uma grande de 400 réis e outra menor, de dois mil réis.

Ele sempre escolhia a maior e menos valiosa, o que era motivo de risos para todos.

Certo dia, um dos membros do grupo chamou-o e lhe perguntou se ainda não havia percebido que a moeda maior valia menos.

– “Eu sei” – respondeu o não tão tolo assim – “ela vale cinco vezes menos, mas no dia que eu escolher a outra, a brincadeira acaba e não vou mais ganhar minha moeda.”

Pode-se tirar várias conclusões dessa pequena narrativa:

A primeira: Quem parece idiota, nem sempre o é.

Dito em forma de pergunta:

– Quais eram os verdadeiros tolos da história?

Outra: se você for ganancioso, acaba estragando sua fonte de renda.

Mas a conclusão mais interessante, a meu ver, é a percepção de que podemos estar bem, mesmo quando os outros não têm uma boa opinião a nosso respeito.

Portanto, importa muito menos o que pensam de nós, mas muito mais o que realmente somos.

“Um dos prazeres de um homem inteligente é bancar o idiota diante de um idiota que pensa que é inteligente.”

Correr Riscos – Sêneca

Este é um dos textos mais lindos que já li e por isso, vale um post só para ele:

Rir é correr o risco de parecer tolo.

Chorar é correr o risco de parecer sentimental.

Estender a mão é correr o risco de envolver-se.

Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu.

Defender seus sonhos e idéias diante da multidão é correr o risco de perder as pessoas.

Amar é correr o risco de não ser correspondido.

Viver é correr o risco de morrer.

Confiar é correr o risco de decepcionar-se.

Tentar é correr o risco de fracassar.

Mas os riscos devem ser corridos, porque o maior perigo é nada arriscar.

Há pessoas que não correm riscos, nada fazem, nada têm e nada são.

Elas podem até evitar sofrimentos e desilusões, mas nada conseguem, nada sentem, nada mudam e não crescem, não amam, não vivem.

Acorrentadas por suas atitudes, viram escravas e se privam da liberdade.

Somente a pessoa que corre riscos é livre!

(Sêneca)

Namorar

O que de fato é namorar?

Mas me refiro a namorar de verdade, aquele namoro gostoso, aquele que nos entregamos e que vivemos intensamente, o que é?

Primeiramente, é tão difícil encontrar alguém que desperte em nós realmente aquela vontade de namorar, não é?

😐

Conhecemos e encontramos várias pessoas legais, com boas qualidades, até mesmo bonitas, mas para ter vontade de namorar é preciso mais do que isso.

É preciso que role aquela química gostosa, aquela mágica especial e tão rara de acontecer.

É preciso encontrar aquela pessoa que você não apenas ache linda, mas  que desperte a vontade de ficar muito tempo junto, com quem você tem vontade de abraçar, beijar, amar, brincar, rir, admirar, que deixe tudo colorido e que faça você se sentir puro, que faça você se sentir criança novamente.

Aquela pessoa por quem você tem vontade de lutar, cuidar, defender e se entregar de corpo e alma e que faz com que você pense primeiro nela e depois em você.

Aquela pessoa com quem você tem várias afinidades. Talvez seja o gosto de fotografar, de dançar, de ouvir as mesmas músicas, de ver os mesmos filmes ou de falar sobre os mesmos assuntos.

Mas não precisa ser alguém que pense sempre igual a você. Pelo contrário, muitas vezes tem que pensar diferente,  isso é bom. Mas, como eu já disse, em algumas coisas ambos têm que pensar igual, às vezes se sentindo até como se um fosse irmão do outro, principalmente se os pontos em comum forem os valores e os objetivos de vida.

Mas não podem se sentir irmãos o tempo todo, afinal, namorar de verdade é sentir frio na barriga, é pele, é química, é se tocar e se beijar muito.

Namorar é como sonhar acordado, mas é melhor do que qualquer sonho bom que você já teve afinal, é realidade, não é sonho.

Namorar é ficar romântico, é mandar flores, é escrever poesias, é cantar, é sentir paz, muita paz, é dormir de conchinha, calmo, profundo, gostoso e acordar feliz com um sorriso no rosto.

Namorar também não é só dar, nem só receber. É dar e receber, é troca. É dar e receber carinho, atenção, compreensão. É ter consideração e se sentir considerado, é preocupar-se e sentir que se preocupam com seus sentimentos, suas vontades, desejos, é cuidar e ser cuidado, é valorizar e se sentir valorizado, é amar e ser amado.

Mas quando se ama tanto assim e se cria este mundo tão lindo, somente entre você e a pessoa que você ama, é normal sentir um pouco de ciúmes. Mas aquele ciúme saudável, que, se explicado, logo passa, pois quando o outro vê que você está sofrendo por ele, ele corre para aliviar a sua dor, muda o comportamento e mostra a você que foi só um mal-entendido e o quanto você é importante, amado e querido. Aí, a dor vai embora rapidinho e muitas vezes você até se sente arrependido e pode ficar até com um pouco de pena da pessoa que antes gerou ciúmes em você, porque talvez esta nem esteja namorando e não está sentindo toda a alegria e paz que você está sentindo.

Namorar também é compartilhar, é honestidade, sinceridade, transparência e verdade. É falar do passado sem medo, falar do presente e planejar o futuro, é compartilhar, é crescer juntos, é viver, é conviver.

Namorar também é fazer coisas simples juntos, como passear no shopping juntos, tomar um sorvete juntos, comer um sanduíche na padaria juntos, ir ao cinema juntos, ver um filminho juntos, ficar sem fazer nada juntos, dormir juntinho, acordar juntos e, aí, é abraçar muito, beijar muito e começar tudo de novo.

Namorar também é tomar cuidado para não ferir um ao outro, pois neste clima tão íntimo, quando estamos tão próximos, tão pertinho um do outro, qualquer movimento mais brusco, ou mesmo diferente, pode machucar e ferir o outro. Se isso acontecer, é preciso compreender e logo correr e acudir, cuidar, dar carinho e pedir desculpas, até ver que a dor do outro passou e o sorriso voltou no rosto da pessoa amada. E depois, tomar cuidado para não fazer novamente.

Namorar não é ter razão sempre, é muito mais compreender do que estar certo. Mas também não se deve explorar este sentimento, pois namorar de verdade também é levar muito a sério a relação e os sentimentos do outro.

Não podemos esquecer nunca que namorar também é compreender e perdoar, pois todos somos imperfeitos, infelizmente erramos e, assim como queremos que nos compreendam, temos também que compreender o outro. Mas é importante que sempre se tome muito cuidado para não errar novamente, afinal este clima bonito é frágil como uma linda flor e talvez não suporte os mesmos erros várias vezes.

Mas se errou e o seu amor suportou, então tente não errar mais e desfrute toda a felicidade que este amor trouxe a você, e com isso, encha a si mesmo de força e tome muito cuidado para não errar mais.

Enfim, namorar é tudo isso, e felicidade é conseguir manter isso por muito tempo… quem sabe até mesmo pela vida toda.

Namorar de verdade nos deixa muito alegres, nos faz sentir a sensação de que conhecemos o verdadeiro sentido da vida.

E mesmo que você acredite que isso vai durar para sempre, mas depois acabe, paciência. Tenha certeza de que valeu a pena, valeu muito, porque melhor viver isso por um tempo do que nunca viver este sentimento.

E particularmente acredito que seja possível manter isso para a vida toda (sou um idealista mesmo, né? rsrsrs).  Porque se ambos forem competentes e se preocuparem com a felicidade e o bem-estar do outro, se mantiverem o respeito, compreenderem e souberem respeitar os limites do outro, se não mentirem nem omitirem, se forem honestos, íntegros, transparentes, mantiverem abertas as linhas de comunicação, se forem maduros emocionalmente e tiverem competência para namorar sempre, sem dúvida isso poderá durar muito tempo, quem sabe a vida toda.

Mas isso só perdura se for sempre recíproco, se acontecer de ambos os lados.

E se acabar, paciência. E que seja de forma madura, honesta e transparente. Quem ama compreende, mesmo que o coração se rasgue todo e a pessoa se sinta como um papel amassado, e o peito doa absurdamente. Mas mesmo nesta hora difícil, nunca se pode mentir, nem enganar, nem trair e nem deixar de ser sincero.

Nunca se esqueça de que a verdade dói, mas a mentira mata.

Afinal, quando se constrói uma relação assim, bonita, ela deveria continuar, mesmo que depois os dois não sejam mais namorados. Afinal, a vida continua e a gente nunca sabe o dia de amanhã. Portanto, mesmo que não queira mais, nunca suje um relacionamento que um dia foi tão bonito.

Tá certo que, quando um namoro deste termina, fica um vazio muito grande, um buraco no peito, mas resta a esperança de que tudo isso aconteça novamente, mesmo sabendo o quão difícil pode ser, pois uma vez que experimentamos isso, não é fácil fazer com que tudo isso aconteça novamente, e até mesmo por isso sofremos tanto quando perdemos um grande amor, quando deixamos para trás um namoro de verdade.

Felizes são todos aqueles que já namoraram de verdade, que se apaixonaram de verdade, que amaram de verdade, e mais felizes ainda são aqueles que amam e namoram até hoje.

Felizes são aqueles que conseguiram aprender com estes momentos e, depois, conseguiram fazer com que tudo isso se repita novamente e, quem sabe, melhor ainda, com menos erros e mais acertos.

Ah! Uma dica. Se você não estiver namorando, não saia à caça das borboletas. Não é assim que se pega uma. Faça de você um lindo jardim, e as borboletas virão até você. E quando isso acontecer, namore de verdade.

E se você está namorando agora, então abrace e beije muito e faça muito amor. Curta muito tudo isso, intensamente. Diga muito que ama, comemore isso todos os dias e sinta lá dentro que você está tendo o privilégio de viver um dos maiores momentos e sentimentos da vida: o amor.

Afinal, o amor está contido em namorar. Veja: n amor ar.

🙂

The FunTheory

O Marketing Viral é sem dúvida uma das estratégias mais eficientes de marketing mas, para funcionar ele precisa ter uma boa dose de emoção e surpreender.

Nesta linha, temos hoje um excelente exemplo de Marketing Viral desenvolvido pela Volkswagen em conjunto com a agência de publicidade DDB de Estocolmo, na Suécia.

Juntas elas criaram o conceito que se baseia na idéia de que a maneira mais fácil de mudar o comportamento das pessoas para melhor é tornar a ação divertida de se fazer, conceito este que chamaram de The fun theory (teoria da diversão).

Começaram criando ações divertidas que ajudem as pessoas a ter comportamentos positivos em relação a exercícios físicos, lixo reciclável e meio ambiente.

Com isto em mente, criaram três ações muito interessantes, filmaram a interação e a reação das pessoas e as publicaram no YouTube.

Uma delas foi implantada numa estação de Metrô, onde transformaram uma das escadas num Piano. Imagine que você está descendo as escadas do metrô, como faz habitualmente todos os dias, e começa a ouvir sons de piano, tocados em ritmo que vai de acordo com os seu passos. Isto aumentou surpreendentemente o uso das escadas em 66%, fazendo as pessoas se exercitarem optando pela escada ao invés da escada rolante.

Outra, foi criada com o objetivo de incentivar as pessoas a jogarem o lixo, no lixo. Depois de um curto período a cesta de lixo “mais profunda do mundo” acumulou 41 Kg a mais do que a cesta mais próxima, que estava a apenas alguns metros de distância.

Outra idéia foi a de criar um joguinho divertido que funciona ao se colocar embalagens recicláveis num coletor de embalagens recicláveis. Durante o período em que este coletor de embalagens recicláveis funcionou, houve em média a interação de 100 pessoas por manhã, enquanto que outro coletor próximo, sem o joguinho, teve em média apenas 2 visitas por manhã.

Juntas estas 3 ações já tinha ultrapassado 5 milhões de visualizações no final de outubro de 2009.

O que achou? Gostou?
Saberia contribuir com mais alguma idéia?
Deixe seu post
😉

Abração

A Crise e o Desemprego: 12 dicas para conseguir emprego em meio à crise

Em relação à crise, de um lado, felizmente, o brasileiro da classe média e da classe baixa não vive “alavancado” (termo típico do mercado financeiro), ou seja, dependendo de crédito financeiro na sua vida pessoal como os americanos e os europeus. Além disso, o momento até agora foi favorável, pois o período de fim de ano é sempre de alto consumo. Estes são dois pontos importantes ajudaram até agora o Brasil a lidar com este momento delicado.

Ajudando ou mascarando, não sabemos ainda de fato, pois do outro lado, as exportações continuam caindo e setores como o automobilístico e o de eletro-eletrônicos, por exemplo, já demonstram grande queda de consumo. Tudo isso faz com que toda a cadeia produtiva sofra, causando desaceleração e, conseqüentemente, desemprego.

No entanto, com a esperança de que esta crise possa passar mais rapidamente do que o alarmado, juntamente com o costume nacional de que o ano só começa após o carnaval, muito provavelmente muitas demissões ainda estão por vir. Por tudo isso, o cenário para o início de março é bastante preocupante, sendo bastante provável enfrentarmos um período mais forte de demissões após o carnaval.

Por tudo isso, acho importante dar algumas dicas sobre o que fazer para conseguir um emprego em meio a esta crise que já atingiu alguns, mas poderá atingir muitos outros em breve.

Algumas dicas são mais específicas para quem está empregado, enquanto outras são voltadas para quem já está desempregado. Também, algumas se encaixam em qualquer período e não apenas para momentos de crise, no entanto considero bastante interessante refletir sobre estas dicas neste momento.

Aí vão minhas doze dicas para você que deseja segurar seu emprego ou para aqueles que procuram emprego em meio à crise:

1. A primeira de todas é em relação às suas finanças pessoais. Cuidado com seus gastos. Evite adquirir coisas supérfluas neste período. Cuidado com as promoções e liquidações: é normal haver muitas em períodos de crise, pois há dificuldade em vender. Planeje seus gastos e procure manter-se coerente com o que foi planejado.

2. Se você ainda está empregado e tem uma entrada de caixa periódica, crie reservas e, se possível, tente criar entradas de caixa alternativas. Lembrando da fábula da cigarra e da formiga, aja como a formiga. Se possível, guarde dinheiro. Qualquer quantia.

3. Lembre-se que, em épocas de crise, as idéias acontecem. Enquanto alguns choram, outros vendem lenços. Portanto, coloque sua imaginação e criatividade para funcionar, analise as oportunidades que podem aparecer e veja como você pode se beneficiar delas. Faça este exercício de verdade e verá, por incrível que pareça, que elas existem e muitas vezes, estão ao seu alcance.

4. Nunca desanime. Se enfrentar a crise animado é difícil, imagine desanimado. O desânimo não ajudará em nada. Tenha isso muito claro em sua mente. Deixe o lado negativo do lado de fora e não o deixe entrar. Evite concentrar-se negativamente na crise, levando otimismo para quem contrata e para seus contatos.

5. Mantenha-se informado. Jornal é muito barato, e ler notícias pela Internet, se você já tiver uma conexão, não custa nada. Informação nestes momentos são muito importantes e podem ser uma fonte de inspiração, ajudando-o a vislumbrar novos horizontes. Além do que, poderão também ajudar a manter-se informado sobre o mercado e as vagas anunciadas.

6. Considere as hipóteses de trabalho em regime de prestação de serviços ou em outros ramos de atividade ou segmentos do mercado. Em época de crise, devemos estar predispostos a fazer coisas que talvez não faríamos em outros momentos, de forma a mantermos nosso custo fixo em dia e não entrar em dívidas. Sem dúvida, isso pode ser apenas temporário, mas vale a pena considerar estas hipóteses.

7. Se ainda está empregado, mantenha sua empregabilidade em alta. Busque atualizar-se sempre, principalmente com assuntos relacionados ao seu cargo, profissão ou ramo de atividade. Seja conhecedor das novidades do meio e, sempre que possível, participe de feiras, workshops e palestras. Leia livros e periódicos relacionados e esteja sempre acessando sites relacionados, bem como fóruns e grupos de discussão. Pratique e exerça o que for possível dentre as novidades com que está tomando contato. Busque este objetivo: tornar-se uma referência em seu meio.

8. Mantenha seu networking ativo. Retome contato com pessoas com quem há muito não conversa. Tenha-as mais próximas. Se possível, expanda seu network. Já falei bastante sobre este assunto em meu outro artigo, “O que é Networking”, publicado anteriormente. Vale revisitá-lo.

9. Quando estiver diante de uma oportunidade real de emprego, demonstre flexibilidade na hora da negociação salarial. Tenha em mente a realidade do mercado e a possível quantidade de candidatos que podem estar dispostos a aceitar a vaga por um salário menor. Talvez nesta hora possa tentar um acordo para renegociar o salário após um período de experiência, ou até mesmo, até um período mais longo. Mas pode não ser uma atitude sábia mostrar intolerância quanto ao salário nesta hora, num momento como este.

10. Demonstre energia, proatividade e, principalmente, foco em resultados. Nestas horas, as empresas também passam por dificuldades e, muitas vezes, estão trabalhando de modo enxuto. Elas precisam conseguir resultados positivos para se manterem. Mostrar disposição para o trabalho e foco em resultados demonstrará uma postura totalmente alinhada com o momento da empresa.

11. Se estiver empregado, ao perceber que sua empresa passa por dificuldades, procure pensar o que sua empresa poderia fazer de diferente. Que medidas poderiam ser adotadas para diminuir gastos ou aumentar o faturamento. Muitas vezes você se encontra numa posição que lhe permite ver coisas que seus superiores não estão vendo. Nestas horas, uma boa idéia pode acabar significando uma redução de custos ou uma oportunidade de ganho ainda não percebida. Se identificar algo assim, crie uma comunicação educada, bem-estruturada, e comunique seu superior. Isso poderá ser visto e, quem sabe, melhorar sua posição dentro da empresa, ou até mesmo salvá-la.

12. Por último e mais importante, não negligencie sua saúde. Ela será muito necessária neste momento difícil, onde é preciso muita energia e disposição. Para tal, procure ser compreensivo com você mesmo e perceba que esta não é uma situação isolada, mas pelo contrário, muito comum. Evite o sentimento de culpa. Se for olhar o passado, faça isso apenas para perceber onde errou e pode corrigir. Utilize o passado apenas como referência para melhorar, e não para se culpar.

Finalizando, como sabiamente diz Stephen Covey em seu livro “Os sete hábitos das pessoas altamente eficazes”, a crise está dentro do Círculo das Preocupações, com realidades que o indivíduo não pode alterar. Então o que ele pode fazer é procurar expandir o seu Círculo de Influência, a esfera onde ele pode atuar e que ele pode modificar, identificando problemas, buscando oportunidades e propondo soluções.

Um pouco mais sobre networking

Nunca se falou tanto sobre networking como atualmente. Não há dúvidas que, com a globalização, o advento da Internet e crescente poder da conectividade, a quantidade de relacionamentos vem aumentando e se intensificando. Talvez por isso networking seja realmente a palavra do momento. Muito embora a palavra tenha ganhado mais força recentemente, ela sempre existiu.

O que é networking
Networking é uma palavra da língua inglesa que nasce da junção de duas palavras, net (rede) e work (trabalho). Quando unidas e colocadas no gerúndio (ing), que dá o sentido de continuidade, trazem o significado da “atividade de criação desenvolvimento e manutenção de uma rede de relacionamentos”.

Estas atividades são realizadas por meio do aumento e intensificação de contatos pessoais, troca de informações, conselhos, oportunidades profissionais ou de negócios. Diferentemente do que alguns pensam, networking é uma rede de relacionamentos formada não apenas por pessoas do âmbito profissional, mas também por todas as pessoas que, de alguma forma, se relacionam com o indivíduo em diversas esferas sociais: família, amigos, colegas de escola, do trabalho e de outras atividades.

Na hora de criar e desenvolver uma rede de relacionamentos, quantidade é importante, mas qualidade é fundamental. E quando falo de qualidade, falo da qualidade das pessoas com quem nos relacionamos e também da qualidade do relacionamento que temos com elas, algo como a freqüência e a intensidade deste.

Qual a importância dele?
Sem dúvida, o networking sempre foi muito importante, pois vivemos em sociedade, e a todo momento precisamos de algo que invariavelmente alguém pode nos ajudar a fazer.

Além do mais, a rede de relacionamentos de um indivíduo é o conjunto de conexões dele com o mundo. É através dela que nos relacionamos com outras pessoas e atingimos muitos de nossos objetivos. Portanto, é importante construirmos e termos nosso networking. Quanto mais qualificadas e atualizadas forem estas conexões, mais facilmente conseguimos informações ou a mobilização de pessoas que poderão nos ajudar a fazer com que nossos objetivos sejam alcançados.

Hoje, no mundo globalizado em que vivemos e com o aumento das formas de comunicação, ter uma boa rede de relacionamentos se faz cada vez mais indispensável.

Como conquistar, manter e ampliar uma boa rede de contatos?
Primeiramente, é importante definir o que é uma boa rede de contatos. Aqui falamos de quantidade e qualidade. No entanto, não importa se o assunto seja quantidade ou qualidade, há um ditado muito apropriado para este momento: “Em vez de caçar borboletas, cuide do seu jardim e elas virão até você”. Portanto, construa e mantenha belo e agradável o seu jardim, ou em outras palavras: seja atraente!

Subdivido agora este ponto em três, sendo eles: o que significa ser atraente, por onde circular e, finalmente, como lidar com os contatos adquiridos.

O que significa ser atraente?
Ser atraente é algo muito subjetivo e difícil de ser descrito. No entanto, podemos assumir que alguns comportamentos são sempre bem-vistos, e praticá-los pode ajudar a caminhar nesta direção.

Não é atraente quem trai, é mentiroso, falso ou dissimulado. Também não é atraente o orgulhoso, pedante ou arrogante. Tampouco é atraente o chato, inoportuno e grudento. O atraente não só fala, mas sabe ouvir e é paciente. Demonstra interesse no outro ao conversar. Evita julgar. Não fala mal de terceiros, pois se assim o fizer, demonstrará ao seu interlocutor que poderá fazer o mesmo com relação a ele.

Por outro lado, uma bela personalidade sempre é atraente, e sobre isso podemos dizer que tem uma personalidade atraente quem é educado, cortês, elegante, amigável, afável, sociável, gentil e simpático. Evite ser irônico, mas procure ser sempre alegre. A alegria atrai e contagia os outros.

Bons valores também atraem, portanto cultive bons valores, tais como honestidade e integridade. Seja verdadeiro, não minta, busque a paz e cumpra sua palavra.

Ainda, uma outra forma de desenvolver uma personalidade atraente é andar com boas pessoas, que da mesma forma cultivem bons valores, busquem a paz e se envolvam em projetos saudáveis.

Ao cultivar uma personalidade bonita e atraente, você estimula outras pessoas a se achegarem até você, além de manter aqueles que você já conhece.

Por onde circular?
Outro ponto importante é o meio onde você circula. Ele será determinante quanto ao tipo de pessoas que irá conhecer.

Sobre alguns meios, não temos muita gerência, tais como a família, a escola e nosso trabalho. No entanto, além destes, você poderá procurar lugares e situações que proporcionem oportunidades para conhecer novas pessoas, o que ajudará na ampliação da sua rede de relacionamentos. Neste sentido, você poderá se associar a um clube, fazer cursos, interagir com grupos com os quais tenha afinidades, ter hobbies, praticar atividades esportivas, participar de ONGs, envolver-se em trabalhos voluntários ou outras atividades que poderão lhe proporcionar conhecer novas pessoas e, conseqüentemente, fomentar seu networking.

Como lidar com seus contatos?
Bem, uma vez sendo alguém agradável e andando em bons meios, você deverá atrair pessoas. Uma vez que isso aconteça, você precisará começar a dedicar tempo e energia para manter sua rede de contatos.

No entanto, é importante perceber que será necessário investir energia e tempo, e que estes recursos são limitados. Quanto maior a quantidade de pessoas com quem nos relacionamos, maior o tempo e a energia que despendemos, caso contrário todos os relacionamentos permanecerão rasos. Assim, é muito importante saber dosar bem a quantidade de pessoas, bem como o foco das atenções. Com tudo isso, percebemos que, para criar, desenvolver e manter uma rede de relacionamentos, é preciso investimento de tempo, energia, constância e paciência.

No entanto, você não conseguirá despender o mesmo tempo e energia com todos. Sendo assim, entendo que seja saudável você categorizar sua rede de contatos. Para isso sugiro que estabeleça seis níveis importantes:

Categoria: amigos ou mais próximos
Quem são: são amigos, parentes e amigos mais próximos. Nesta categoria estão seus melhores e principais contatos. Portanto, cuide bem deles.
O que fazer: mantenha contato com estas pessoas, seja por e-mail, comunicadores instantâneos, telefone ou em contato pessoal. Demonstre genuíno interesse e preocupação com elas e nunca minta ou aja com falsidade e de modo interesseiro. Coloque-se sempre à disposição para ajudar, quando necessário. Preocupe-se com o bem-estar destas e dedique tempo para se relacionar com elas. Programe passeios, almoços, jantares, happy hours e tenha convívio com elas. Lembre-se sempre das datas que são importantes para elas e, sempre que possível, presenteie. Cuide bem daqueles que estão mais próximos de você. Mesmo que nunca precisar deles, é muito bom saber que tem amigos e será muito bem visto e quisto por aqueles de quem você cuida e com quem você se preocupa.

Categoria: de relacionamento constante
Quem são: são aquelas pessoas que, por exemplo, fazem parte do seu trabalho, da sua escola ou mesmo seus vizinhos.
O que fazer: quanto a estas, é importante mostrar-se sempre alguém acessível, agradável, alegre e amigo. O amigo não fala mal pelas costas, não participa da radio-peão, é colaborativo e agradável e também demonstra interesse. Dando atenção a estes pontos, você tenderá a ser alguém bem-visto e bem-quisto no seu círculo de relacionamentos constantes.

Categoria: os novos
Quem são: são aquelas pessoas a quem você já foi apresentado uma vez e que chegou a ter alguma conversa ou rápido relacionamento, onde teve a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a pessoa, mas o relacionamento não evoluiu para nenhum outro nível por falta de tempo ou oportunidade, mas que reconheceu afinidades e percebeu que vale a pena investir para, quem sabe, tê-los mais próximo de você.
O que fazer: esta é a categoria mais importante para o aumento do seu networking. É importante que você perceba a importância de investir tempo e energia nela, pois só assim fará com que sua rede de relacionamento cresça. Com estes, promova um encontro presencial, um almoço, um jantar, um happy hour ou mesmo um passeio. Tenha em mente que estes encontros são uma incógnita e que até poderá se decepcionar com a pessoa. No entanto, melhor ter logo uma decepção e definir para que grupo esta pessoa vai do que ficar investindo tempo e energia com um contato que é apenas uma expectativa, e que depois demonstra ser frustrante. Conhecendo-os melhor depois, você poderá definir em que grupo estes irão constar. Mas lembre-se sempre que, no primeiro grupo, o dos amigos, não cabem muitas pessoas, e muitas vezes, o ato de colocar novos membros lá poderá significar tirar alguns que lá estão ou acabar dedicando menos tempo a todos que lá já se encontram.

Categoria: os apenas conhecidos ou mais distantes
Quem são: são aquelas pessoas a quem você já foi apresentado ou com já interagiu, mas não teve oportunidade de conhecer melhor e, portanto, não pode ainda fazer parte da categoria “novos”. No entanto, houve alguma afinidade e você deseja manter certo contato para deixar as portas abertas e, quem sabe, voltar a ter um novo contato com esta pessoa, ou ainda mantê-la assim, relativamente conectada para quando precisar de algo.
O que fazer: com estas, você deverá entrar em contato com certa periodicidade, seja pessoalmente, através de um telefonema ou mesmo por e-mail. Nestas horas, é importante desejar saber como a pessoa está e demonstrar que você não se esqueceu dela. Mas lembre-se: faça isso sempre de forma saudável, sem falsidade. Com isso, você manterá viva a sua conexão e será lembrado por ela.

Categoria: os ex-mais próximos
Quem são: este grupo é composto daquelas pessoas que já foram amigos ou mais próximos um dia, mas que, por qualquer razão, deixaram de ser.
O que fazer:  este grupo muitas vezes é subdividido entre aqueles que são ex-mais próximos, simplesmente porque a correria do dia-a-dia ou a distância fizeram com estes deixaram de ser mais próximos, ou porque você optou por mantê-los mais distantes. No último caso, somente você saberá dizer que tipo de tratamento desejará ter com estes. No entanto, no caso daqueles que são “ex-mais próximos” simplesmente por distância ou falta de tempo, não dê a este menos do que você dá aos apenas conhecidos ou mais distantes.

Categoria: os indesejados
Quem são: provavelmente estarão nesta categoria aqueles com quem você nunca teve nenhuma afinidade e acredita que nunca terá, ou ainda aqueles com quem você já teve, mas agora não tem mais nenhuma afinidade nem deseja promover nenhuma espécie de aproximação. Aqui estão aqueles que você deseja manter distantes.
O que fazer: esta categoria também é muito importante, e você deverá ter cuidado, sabendo como agir com quem estiver nela. É importante ter cuidado com esta categoria, pois talvez nela estejam pessoas que podem prejudicá-lo e, por isso, de uma certa forma você precisa cuidar delas. Ainda podem estar aqui aqueles que desejam ter uma maior proximidade com você. Portanto, tenha cuidado para não dar qualquer sinal positivo, nem sem querer, para depois ter de acabar ficando numa situação delicada, despendendo tempo e energia com quem não quer ou acabar sendo indelicado em não dar continuidade num processo que você mesmo iniciou.

Atenções especiais

O que sempre se deve procurar fazer:
•    Independentemente das pessoas com quem você interaja, lembre-se sempre que você tem seus valores e se respeita. Portanto, nunca minta ou aja com falsidade: mantenha isso como um valor seu.

•    Sempre seja honesto em suas palavras e evite ser político no sentido pejorativo da palavra. Omita as opiniões mais feias que porventura você tenha de alguém. Guarde-as para você.

•    Nunca seja falso ou aja de modo interesseiro. Sempre que possível, demonstre interesse e preocupação para com as pessoas do seu círculo de amizades. Sempre é muito bem-visto aquele que se preocupa de forma genuína, saudável e se coloca à disposição para ajudar quando necessário.

•    Lembre-se das datas que são importantes para seus contatos.

•    Quando for transmitir seus votos de felicidades numa data especial, não exagere! Seja agradável, mostre que se lembrou da pessoa e transmita-lhe de forma agradável seus votos de saúde, amor, paz, sucesso e felicidade.

O que nunca deve ser feito:

•    Não mantenha muitas pessoas na primeira categoria, pois você dificilmente conseguirá dedicar o tempo e a atenção necessária a todas. Caso faça isso, ou não dará a devida atenção a quem merece ou dará pouca atenção a todas elas.

•    Algo que também nunca deve ser feito é ser inconveniente ou forçar a barra. Talvez você queira muito manter um relacionamento com alguém, mas será que há reciprocidade? Será que esta pessoa também quer, da mesma forma, manter vivo um relacionamento com você? Por mais decepcionante que seja a realidade, devemos encará-la, e o fato é que tentar forçar a barra de um relacionamento poderá ter efeito oposto ao desejado e fazer com que você entre na lista dos “indesejados” do seu contato. Isso é tudo o que devemos sempre evitar.

•    Também não force uma intimidade que não existe. Agindo assim, você só conquistará a antipatia do seu contato e, conseqüentemente, a distância e uma posterior dificuldade de acesso.

•    Seja compreensível e saiba que nem sempre estas pessoas estarão prontas para nos receber, para nos ouvir ou para responder prontamente nossos e-mails ou telefonemas. Nestas horas, nunca ache ruim a demora, como se a outra pessoa tivesse a obrigação de fazê-lo rapidamente. Apenas compreenda e respeite.

•    Lembre-se que criar e manter um bom networking leva tempo e consome energia, portanto, por vezes você poderá sentir-se incomodado com isso. Nessa hora, administre este sentimento e lembre-se que a responsabilidade pela administração do seu tempo e energia é apenas sua. Nunca expresse isso para seu contato, pois ele não tem nenhuma responsabilidade.

•    Quando quiser algo de alguém de seu networking, nunca coloque sua necessidade como uma obrigação para seu contato. Peça com gentileza e coloque também a possibilidade de não ser atendido, afinal, ninguém tem obrigação alguma com você. Nesta hora, mesmo não sendo atendido, agradeça a atenção e procure minimizar a sensação de culpa que você possa ter gerado na outra pessoa, procurando transmitir uma sensação de paz e tranqüilidade para quem não pôde atender à sua solicitação.

Observação final: Por fim, caso esteja se relacionando com alguém notável, importante ou famoso, lembre-se que a quantidade de assédios e pedidos que esta pessoa recebe não deve ser pouca. Nesta hora você poderá ganhar pontos por saber manter-se mais a distância e compreender a situação, respeitando o ser humano que está naquela situação. Às vezes demonstra-se mais consideração por não ser mais um que deseja sugar as energias de outro do que demonstrar interesse. Caso seja esta a situação, poupe seu contato de uma enxurrada de elogios e paparicos. Isso apenas o deixará nivelado com inúmeros outros. No entanto, demonstre de forma discreta que se lembrou dele e que está ali caso ele necessite. Isso trará valor à sua pessoa, e você se destacará de forma saudável aos olhos do seu contato.

Escola do desenvolvimento das qualidades, das virtudes e dos bons valores humanos

Há muito tempo venho analisando o ser humano bem como toda a humanidade, a estrutura social em que este está inserido.

Sinto e percebo o que á de fato dentro das pessoas e acredito que tudo o que vemos de mal à nossa frente, poderia ser diferente, se algumas coisas fundamentais e básicas, fossem alteradas.

Ou seja, acredito muito no projeto “Ser Humano” e digo que não perdi a fé de que tudo isso poderia ser muito melhor e bem diferente.

Uma rápida leitura do mundo hoje mostra claramente que este está totalmente construído sob as bases do egoísmo.

Tudo o que fazemos, desde a infância, nos ensina a sermos cada vez mais egoístas.
Os governos são egoístas, o comércio é egoísta e até as religiões de hoje são egoístas.

No entanto eu acredito que o homem não foi criado para ser egoísta mas sim para agir com amor.
O amor ao contrário do egoísmo, faz você se preocupar com o seu próximo tanto quanto você se preocupa com sigo mesmo.

Se você é pai saberá compreender o que é o amor.
Se estiver numa situação de fome, apenas você e seu filho e encontrar um pouco de comida, para quem dará este escasso alimento? A você? Ou ao seu filho? Sem dúvida dará ao seu filho.
Isto é amor. Abnegação de si próprio em prol da pessoa que você ama e se desejar nada em troca.
Pois é assim que nós deveríamos agir com o nosso próximo.

No entanto, como agir assim hoje, pensando primeiro em nosso próximo, se o nosso próximo não agirá assim conosco?

Sem dúvida fica muito difícil, é verdade. No entanto se não iniciarmos, isto nunca vai acontecer.

Se nossa sociedade estivesse construída sob os alicerces do amor, tudo seria muito diferente.
Creio que o dinheiro até existiria, mas não o amor ao dinheiro. Sim, pois o dinheiro é uma forma justa de se fazer troca, no entanto a ganância em conquistá-lo e o amor ao dinheiro é a raiz muitas coisas prejudiciais e ai, vemos novamente o cheiro do egoísmo presente.

Talvez até ninguém mais passaria fome, pois se todos fossem amorosos, quem deixaria seu próximo passar fome e não lhe estenderia a mão e lhe daria alimento?
E este que recebeu tal alimento, se também tivesse o amor em seu coração, conseguiria não retribuir a altura tal gesto tão belo?

Percebe, o amor faria o mundo girar, pois todo aquele que tivesse recebido um ato de amor, desejaria, por amor, retribuir e tudo funcionaria de forma diferente do que estamos vendo acontecer hoje.

No entanto, o amor é o sentimento mais nobre que um ser pode ter, a mais alta das virtudes humanas. Mas antes deste tão nobre sentimento, existem outros que todos nós também precisamos desenvolver tais como: mansidão, brandura, fidelidade, polidez, empatia, compreensão, compaixão, coragem, justiça, generosidade, misericórdia, gratidão, humildade, honestidade, verdade, simplicidade, tolerância, pureza, doçura, perdão, autodomínio, brandura, fé, bondade, benignidade, longanimidade, paz, alegria e por fim o amor.

Mas o que significa cada um destes?
E mais do que isso, como desenvolvê-los?

Infelizmente isto acontece por um lado porque qualquer uma destas qualidades em geral esteve atrelada a ensinos religiosos. Portanto, ou você faz parte de uma religião e tem acesso a estes conhecimentos, ou então dificilmente terá acesso à eles, o que significam, ou ainda, porque e como desenvolvê-los.

Por outro lado, no passado, quando estávamos cercados por quase nenhuma tecnologia, havia mais tempo e tais ensinamentos eram passados de pai para filho, a noitinha, em conversas após o jantar ou em outros momentos de interação da família.

No entanto hoje com o avanço da tecnologia e das comunicações, estamos cercados de coisas que roubam a nossa atenção, tais como: televisão, vídeo-cassete, DVD, música, filmes, novelas, Internet, vídeo-games, celulares entre tantas outras coisas e ninguém mais tem tempo ou mesmo vontade de se distanciar destas coisas e sentar e conversar com seus filhos.

Tudo isto fez com que os pais não orientassem seus filhos corretamente, não os instruísse de forma a construírem nestes, qualidades e virtudes. Tais filhos “mal criados” se tornam pais despreparados e menos qualificados, que para piorar, com o avanço da tecnologia e a crescente descrença pela religião, acabaram tendo à sua volta ainda menos orientação e mais distrações e da mesma forma, também não orientaram seus filhos com virtudes e qualidades, pois sequer tinham isto dentro de si, para dar. E recursivamente tais filhos se tornaram pais que da mesma forma, não instruem seus filhos e isto vem acontecendo, geração após geração, culminando hoje uma sociedade de pessoas totalmente desprovidas de qualidades, virtudes e bons valores.

O que fazer frente a isto?

Sem dúvida a solução não  é simples, mas precisamos começar a caminhada.
Primeiro temos que investir um pouco de tempo e aprender um pouco mais sobre qualidades, virtudes e bons valores humanos.
Devemos fazer isso totalmente apartados de qualquer ensino religioso, pois não é necessário aprender isso para agradarmos a Deus, ou algo similar.
Devemos aprender isso, pura e simplesmente pelo fato de que isto é bom para nós, para o nosso desenvolvimento pessoal, para nossa paz e alegria e também porque fará bem para todos que estão à nossa volta, sejam estes nossos pais, nossos filhos, irmãos, funcionários, chefes, amigos, etc.
Uma vez aprendendo mais sobre assuntos tão gratificantes, deveríamos exercitá-los, pessoalmente e com outros que assim como nós, também se alegram com tais assuntos e comportamento.
E por fim, devemos reservar tempo para orientar e transmitir isso aos nossos filhos (hoje ou quando os tivermos).

Desta forma, não só estaremos resgatando valores importantes para nós e mas conseqüentemente estaremos contribuindo para a construção de uma sociedade melhor, e por fim, nós mesmo seremos duplamente beneficiados por tudo isso.

Por tudo isso, estou aqui, neste momento, fazendo o primeiro movimento para a construção destes comportamentos, e desta nova sociedade, aonde de forma totalmente apartada de qualquer religião se procura conhecer e desenvolver qualidades, virtudes e os bons valores humanos.

Este é o primeiro de muitos artigos que espero estar escrevendo aqui neste espaço.

E eu convido a você agora a participar deste movimento, colaborando se puder, disseminando este pensamento mas antes de tudo e principalmente, aprendendo e aprimorando a si próprio, de forma totalmente apartada de qualquer religião.

De forma a começarmos a construir uma nova sociedade, baseada no amor e não no egoísmo, mas para que consigamos compreender o que é o amor, e além disso, o praticamos, vamos antes aprender um pouco mais sobre todas as outras virtudes e qualidades e exercitá-las em nosso dia a dia.

Portanto, bem vindo você que é ateu, judeu, muçulmano, cristão, budista, espírita, hindu ou de qualquer outra crença religião.

Bem vindo ao lugar onde iremos resgatar, aprender e exercitar os assuntos mais importantes para o ser humano e onde é bem vinda a se desenvolver.

Bem vindo a Escola do desenvolvimento das qualidades, virtudes e dos bons valores humanos!

O que é certo e o que é errado na prestação de serviços para recolocação profissional?


Ficar desempregado já não é fácil. Mas pior ainda é ser abordado por empresas que se aproveitam desta situação para assediar o profissional com promessas mentirosas de um novo emprego, tentando na verdade tirar dinheiro de quem se encontra num momento vulnerável, ansiando por um novo emprego.

Portanto, tome muito cuidado!

Hoje, o melhor meio para divulgar o currículo é a Internet, e vai continuar sendo assim, pois é um meio totalmente prático e interativo, facilitando muito a busca por oportunidades.

Mas o que fazer quando a exposição na Internet traz abordagens inesperadas e até mesmo desagradáveis?

Por exemplo, há empresas que se vendem como assessoria de recolocação profissional e ligam para oferecer uma vaga exatamente com o seu perfil, deixando entender que um novo emprego está batendo à sua porta. O que fazer?

Já parou para pensar o que isso causa na cabeça de quem está desempregado? Nessa hora, será que é certo essa empresa cobrar para oferecer promessas de recolocação profissional?

 


Como presidente da Curriculum.com.br, trabalhando com recrutamento online há mais de 12 anos, meu posicionamento é claro: é errado, antiético e ilícito iludir um candidato que busca recolocação profissional com falsas promessas de emprego e, nessa hora, vender-lhe qualquer serviço relacionado à sua recolocação profissional, baseando-se na falsa promessa de recolocá-lo. 

Por outro lado, é correto, sim, receber por serviços que auxiliam o candidato em seu processo de recolocação profissional, na busca por um novo emprego.

Mas, então, onde está a diferença?


A diferença é que, quando uma consultoria de recursos humanos é contratada por uma empresa para preencher uma vaga, ela tem a missão de selecionar o melhor candidato para a vaga e, para isso, ela iniciará um processo de recrutamento e seleção que deverá localizar os melhores candidatos. Quem paga por este processo é a empresa que contratou a consultoria. Portanto, estas consultorias jamais podem orientar, beneficiar ou favorecer qualquer candidato em especial, pois se assim o fizerem, estarão agindo de forma não lícita para com seu cliente (a empresa) que a contratou.

Já as consultorias de recolocação profissional, que oferecem serviços para auxiliar o candidato na busca de um novo emprego, nunca têm vagas em aberto. Isso porque os clientes desta consultoria não são as empresas que têm vagas, mas sim os candidatos que buscam emprego.

Resumindo: a consultoria de RH que tem vagas não auxilia o candidato a arrumar emprego, pois seus clientes são as empresas. Já as consultorias de recolocação profissional, que auxiliam o candidato a encontrar um emprego, não têm vagas, pois seus clientes são os candidatos.

Numa análise de currículo, por exemplo, profissionais com experiência em recolocação e recursos humanos podem ajudar o profissional a melhorar seu currículo. Por exemplo, é comum as pessoas não saberem como dispor as informações num currículo, o que colocar e o que não colocar. Erram no português, na forma de se expressar, deixam de salientar pontos importantes, dizem coisas que não deveriam ser ditas e deixam de salientar as qualidades e pontos importantes de forma correta. É para estas pessoas que este tipo de assessoria presta serviços e recebe por eles.

Da mesma forma, é lícito e correto orientar uma pessoa sobre como se portar numa entrevista de emprego. Que roupa usar, o que falar e o que não falar, o que fazer e o que não fazer. Nesta linha, existe até algo chamado role play, que é uma entrevista de emprego simulada, em que o consultor contratado pelo candidato age como se fosse o selecionador, entrevistando-o como numa seleção real. No final, o consultor faz uma devolutiva para o candidato, informando onde ele acertou, onde errou e o que precisa melhorar.

Mesmo a cobrança por testes psicológicos é algo lícito, pois quem os aplica teve que estudar, formar-se e adquirir o direito de aplicar os testes, e este é o seu trabalho. Então, estes psicólogos têm, sim, o direito de cobrar pelo ato de aplicá-los e interpretá-los. Tudo isso é correto, honesto e ajuda muito os candidatos a se conhecerem melhor e consequentemente a melhorarem seus desempenhos nas entrevistas.

Mas será correto ajudar as pessoas a fazerem seus currículos e a se saírem bem nas entrevistas? Como exemplo, uma grande empresa treinou 120 jovens numa determinada função de TI. Depois, estes jovens foram procurar emprego. Sabe quantos conseguiram? Nenhum! Por quê? Não sabiam “se vender”, ou em outras palavras, não sabiam expor e vender suas qualidades! O nervosismo tomou conta deles, pois se encontravam totalmente despreparados para uma entrevista de emprego. Eram todos altamente capacitados, mas não souberam expor sua própria capacidade.

Tudo isso posto, sabemos bem agora como funciona uma consultoria de RH, ou seja, uma empresa que ajuda o RH a encontrar candidatos, e sabemos também como funciona uma consultoria de recolocação profissional, uma empresa que ajuda os candidatos a encontrar um emprego.

O que não existe são empresas que atuam dos dois lados, ou seja, que estão selecionando para vagas de empresas clientes e que são, portanto, consultorias de RH, mas que ao mesmo tempo cobram do candidato para indicá-lo às vagas. Isso é picaretagem!

Isso é o que distingue uma consultoria boa e ética de uma ruim e picareta: esta última vende a ilusão de que existe uma vaga em aberto e cobra do candidato por serviços com a promessa de que irá recolocá-lo profissionalmente.

No entanto, é isso que vem acontecendo em alguns casos. Portanto, todos aqueles que buscam emprego precisam se precaver e tomar muito cuidado com abordagens deste tipo. Neste momento frágil, com o enorme desejo de se recolocar novamente, quem procura emprego se torna uma presa fácil para empresas picaretas, as quais utilizam promessas e palavras extremamente atraentes para seduzir o profissional.

No entanto, para terminar, e como já foi dito, um candidato em busca de orientação pode, sim, pagar uma consultoria para aprimorar seu processo de recolocação, e isso é lícito e correto, mas é fato que a linha que divide os dois tipos de abordagem é tênue. É muito importante distinguir corretamente o certo do errado, de modo que o candidato não entre numa fria nem deixe de ser competitivo.

Se houver qualquer dúvida, não hesite em entrar em contato com a nossa equipe. A Curriculum está aqui para ajudá-lo.

Fique ligado!

Caso tenha recebido contatos de alguma destas consultorias picaretas e tiver alguma denúncia a fazer, faça em: http://www.curriculum.com.br/denuncias

Outras informações a respeito poderão ser obtidas em: http://vocesa.abril.com.br/informado/aberto/ar_193859.shtml